Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > JUSTIÇA

Caso Davi: Justiça manda PMs acusados de torturar e matar jovem a júri

À época com 17 anos, o jovem desapareceu no bairro Benedito Bentes, após abordagem policial


				
					Caso Davi: Justiça manda PMs acusados de torturar e matar jovem a júri
Davi da Silva tinha 17 anos quando desapareceu. Reprodução

Os desembargadores da Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) determinaram, na última quarta-feira (5), que os policiais militares acusados de torturar, matar e ocultar o cadáver do jovem Davi da Silva, em 25 de agosto de 2014, devem ir a júri popular. A defesa dos PMs, que negam o crime, tentava uma apelação no tribunal, que sequer foi conhecida pelos desembargadores.

A defesa dos militares entrou com apelação e alegou incompetência de uma das varas da Justiça, onde o processo tramitou. No entanto, o desembargador relator, Alberto Jorge Correia de Barros Lima, destacou que a defesa realmente queria discutir os crimes apontados na denúncia, o que, segundo ele, já estava resolvido pela sentença de pronúncia dos réus a júri popular.

Leia também

Prestes a completar 10 anos do caso, o desembargador afirmou, na decisão, que “não é possível mais procrastinar o andamento do feito”. Alberto Jorge é taxativo que os policiais devem ir a júri popular.

O CASO

Davi da Silva, à época com 17 anos, desapareceu em 25 de agosto de 2014, no bairro Benedito Bentes. Ele e Raniel Victor foram abordados por uma guarnição da Radiopatrulha. De acordo testemunhas, os policiais colocaram Davi dentro da viatura e, desde então, ele não foi mais visto.

Eudecir Gomes de Lima, Carlos Eduardo Ferreira dos Santos, Victor Rafael Martins da Silva e Nayara Silva de Andrade foram os militares indiciados pela Polícia Civil de Alagoas (PC/AL) e denunciados pelo Ministério Público de Alagoas (MP/AL).

Quando enviado à Justiça, o inquérito elaborado pela comissão de delegados que investigou o caso afirmava que "a impunidade para os autores tem causado descrédito das instituições que compõem a estrutura da justiça criminal".

A liberdade dos policiais acusados dos crimes foi de encontro ao que os delegados sugeriram no inquérito. Eles pediram a prisão dos quatro militares e argumentaram que "os investigados, soltos, a partir do indiciamento, quando serão individualizados, representam um grave risco à instrução criminal, uma vez que as testemunhas correrão risco de vida".

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X