Após pedido de federalização, MPF solicita informações sobre morte de Neguinho Boiadeiro

Quase quatro anos após morte dele e de Tony Pretinho em Batalha, polícia ainda não descobriu mandante do crime e caso pode ser federalizado

Sem conclusão há quase quatro anos, os assassinatos dos ex-vereadores de Batalha, Adelmo Rodrigues de Melo, o Neguinho Boiadeiro, e Tony Carlos Silva de Medeiros, conhecido como Tony Pretinho, podem ser federalizados. No último dia 21 de julho deste ano, o procurador da República João Paulo Lordelo expediu ofício ao procurador-geral de Justiça de Alagoas, Márcio Roberto Tenório de Albuquerque, pedindo informações relativas às apurações dos homicídios. O órgão deve avaliar o pedido de federalização do caso.

No documento, o procurador cita que os representantes do pedido de federalização, chamado incidente de deslocamento de competência, citam “a incapacidade das autoridades locais em esclarecer a autoria do mencionado fato criminoso”.

O pedido do procurador federal foi enviado nesta quarta-feira (18), pelo gabinete do procurador-geral de Justiça de Alagoas, para o promotor de Justiça da cidade de Batalha, onde os crimes aconteceram, para que o membro ministerial preste as informações.

O pedido

O pedido de federalização, conforme documento do Ministério Público Federal (MPF), foi feito por Maria da Conceição Cavalcanti de Melo, Mércia Cavalcanti Targino, Maria Rita de Cassia Rodrigues Melo e Mabylla Loriato Ferreira.