Crianças de 8 e 4 anos deixadas sozinhas pela mãe são resgatadas pelo Conselho Tutelar de Arapiraca

Residência estava com lixo e o menor sujo de fezes e urina; mãe disse para os filhos que ia ao hospital porque estaria doente

Duas crianças de oito e quatro anos, esta com deficiência, foram encontradas sozinhas dentro de casa, no município de Arapiraca, na madrugada dessa quinta-feira (10). O Conselho Tutelar da cidade foi acionado pelo 3º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e resgatou os menores do local insalubre em que vivam. Lá, os conselheiros constataram muita sujeira, lixo e a criança mais nova estava suja de fezes e urina.

Segundo o conselheiro Netinho Cavalcante, a mãe da criança teria dito ao filho mais velho que iria ao hospital, pois estava doente e que, na volta, levaria comida. Diante da informação, os conselheiros realizaram uma busca pelos hospitais da região, mas a mulher não foi encontrada.

“A criança mais velha tem um senso de responsabilidade de cuidado com o irmão e a mãe muito grande. E conversando com ele, tentando acalmá-lo, porque ele estava chorando muito, com medo, ele disse que a mãe tinha saído de manhã para o hospital porque estava doente e disse que voltaria com comida. Como estávamos com os dados dela, por causa de documentos que achamos na casa, ligamos para todos os hospitais de Arapiraca e não conseguimos encontrá-la, ou seja, ela não deu entrada em nenhum hospital da cidade’, explicou.

O conselheiro conta que conseguiu localizar uma tia das crianças e que, nesse momento, a mãe fez contato com a parente.

“Quando estávamos fazendo visita a essa tia, a mãe ligou e eu tive contato. Eu achei estranho porque, no momento que falei com ela, a mãe disse que tinha recebido alta e que estava aguardando uma amiga para levá-la pra casa. Cinco minutos depois ela ligou e disse que estava em casa. Mas, é humanamente impossível ela sair do Centro da cidade e chegar até a casa nesse tempo”.

Apesar do abandono, o conselheiro disse que as crianças não apresentavam marcas de violência, mas aparentavam um grau de desnutrição. Após o atendimento do Conselho, a criança mais nova foi entregue aos cuidados de uma tia e o mais velho foi deixado com o pai.