Transexual goiana é achada morta em Portugal após relatar ameaças em live

Ela desapareceu no dia 1º de janeiro, após ir visitar uma amiga

Uma transexual de Goiânia foi encontrada morta em uma praia de Portugal na tarde de segunda-feira (11). Angelita Seixas Alves Correia, de 31 anos, era personal trainer e instrutora de dança. A irmã, Suzana Alves Alcântara, de 42 anos, disse que Angelita relatou, em uma live, estar sofrendo ameaças, mas não deu detalhes. Ela estava desaparecida desde o dia 1º de janeiro.
Suzana contou que a irmã se mudou para Portugal em 2016 e se casou lá em 2018. Ela morava na cidade de Matosinho. No dia 1º saiu de casa dizendo ao marido que iria até a casa de uma amiga.
"À noite, eu vi uma notificação no Instagram dela fazendo uma live. Ela disse que estava sendo ameaçada, mas que não tinha medo. Em seguida, a live pausou. Minha sobrinha chegou a ligar para ela depois e contou que a Angelita estava muito nervosa, olhando para os lados e pedindo para ligar para o marido dela", contou.
Depois disso, a personal não foi mais vista. "A gente estava em contato diário com a polícia lá e tínhamos a esperança de encontrar ela com vida".
O corpo de Angelita foi encontrado por um surfista, que chamou a polícia. Junto, foram encontrados alguns objetos pessoais da vítima. A família entrou em contato com a polícia em Portugal, mas ainda não conseguiu informações sobre o caso.
Suzana entrou em contato com o consulado português e está aguardando uma resposta para saber se conseguirá viajar. Ela também espera que a polícia passe informações sobre as investigações da morte de Angelita.
O G1 entrou em contato com o Itamaraty por email às 7h10 para saber se o órgão foi notificado sobre a morte da goiana e aguarda resposta.
Devido à pandemia de Covid-19, Suzana não sabe se vai conseguir viajar para Portugal. "As fronteiras estão fechadas. E se eu conseguir viajar, não sei se consigo voltar. Também não sei se vou conseguir trazer o corpo dela nessa situação e se o marido também vai autorizar", contou.