Primeira vereadora trans de Niterói, Benny Briolly denuncia ameaça de morte

No texto enviado à parlamentar de Niterói, o criminoso diz que irá matá-la do mesmo jeito que fizeram com Marielle

Vereadora eleita em Niterói pelo PSOL, Benny Briolly divulgou em suas redes sociais que também recebeu ameaças do mesmo grupo que tem feito ataques racistas e homofóbicos a outras políticas do país, como a deputada federal Talíria Petrone (RJ), as vereadoras Duda Salabert, de Belo Horizonte (MG), Carol Dartora, de Curitiba (SC), Professora Ana Lucia Martins, de Joinville (SC) e a prefeita de Bauru (SP), Suelen Rosim.
No texto enviado à parlamentar de Niterói, o criminoso diz que irá matá-la "do mesmo jeito que fizeram com Marielle".
Benny, que foi eleita neste ano e só toma posse em 2021, afirmou que tomará as medidas cabíveis e que já existem suspeitas de quem seja o autor das mensagens contra ela e outras políticas.
Benny já havia registrado um boletim de ocorrência antes das eleições municipais por ameaça e crime de LGTBfobia. Uma das mensagens recebidas dizia "Ronie Lessa vai te pegar", em referência ao suspeito de participar do assassinato de Marielle Franco.
Nascida em Niterói, a representante do PSOL morou em comunidades do bairro do bairro do Fonseca e começou a participar do movimento LGBT ainda na escola. Um dos seus objetivos no legislativo é lutar por isenção fiscal para empresas que contratarem pessoas trans.