Polícia abre inquérito para investigar empresário que vendia lentes falsificadas

Funcionários da ótica alegam que clientes não receberam produtos após fechamento de lojas e direitos trabalhistas não foram pagos

A Polícia Civil de Alagoas abriu um inquérito, nesta quinta-feira (8), para investigar as denúncias sobre uma suposta venda de lentes falsificadas nas lojas da empresa "Polo Ótica". Além disso, os funcionários alegam que as unidades foram fechadas e estão pendentes algumas questões trabalhistas. 
De acordo com o delegado Denisson Albuquerque, do 7º Distrito Policial (7° DP), os funcionários e clientes registraram Boletins de Ocorrências, na Central de Flagrantes I, no bairro do Farol. 
"Vamos investigar se as denúncias procedem. Uma das denuncias é que os funcionários alegam que tiveram os direitos trabalhistas violados. Também recebemos Boletins de Ocorrência, feitos pelos clientes da ótica, que alegaram pagar pelo produto, mas não receberem, após o fechamento da loja. Uma mulher informou que pagou R$ 3 mil em um óculos e não recebeu o produto", explicou o delegado Denisson Albuquerque.

Certificados seriam falsificados em gráfica no Poço - Foto: FOTO: Reprodução

Fraude no certificado de qualidade das lentes
Os trabalhadores denunciaram ainda que algumas lentes vendidas nas lojas da "Polo Ótica" eram falsificadas. O delegado informou que aguarda receber denúncias de clientes para abrir uma nova investigação. "Estamos aguardando as denúncias chegarem. Não podemos indiciar uma pessoa sem provas suficientes. Faço um apelo para o clientes da empresa que, se estiverem suspeitando que a lente foi fraudada, compareçam ao 7° DP, façam a denúncia e enviaremos o produto para a perícia", disse. 
De acordo com os funcionários, os preços para comercialização das lentes variavam de R$ 15 a R$ 100, mas eram vendidas aos clientes por mais de R$ 1 mil. ''Os certificados eram confeccionados em uma gráfica, localizada no bairro do Poço. A gente acredita que o pessoal da gráfica não tinha conhecimento que era uma fraude, até porque só quem trabalha com isso, sabe do que se trata'', informou uma funcionária.

 Funcionários e clientes registraram Boletins de OcorrênciaFOTO: Cortesia - Foto:  Funcionários e clientes registraram Boletins de OcorrênciaFOTO: Cortesia