Motorista que atropelou e matou criança de 6 anos é turista de MG e culpa falta de sinalização na AL-101 Sul

Condutor negou que estava alcoolizado no momento do acidente; ele prestou depoimento nesta quarta (11), na delegacia de Marechal Deodoro

A defesa do motorista que atropelou e matou uma criança de seis anos de idade, no último domingo (8), na rodovia AL-101 Sul, em Marechal Deodoro, informou que o homem é turista do estado de Minas Gerais e alegou que a família atravessou em um local sem faixa de pedestre ou iluminação. O condutor prestou depoimento nesta quarta-feira (11), na delegacia de Marechal Deodoro. A defesa negou que o cliente estava alcoolizado no momento do fato.

De acordo com Marcelo Medeiros, que é advogado do motorista, o resultado do teste do bafômetro foi enviado para a delegada Liana Franca, que investiga o caso.

Ele também afirmou que o cliente não fugiu do local do crime, e sim, ficou dentro de uma viatura da Polícia Militar de Alagoas (PM/AL), pois já havia se formado um aglomerado de pessoas no local.

O advogado disse que o fato ocorreu já depois das 18h. Ele narrou que o cliente havia saído de um restaurante na região e aguardava no retorno da rodovia para seguir em direção a Maceió e, quando entrou na faixa principal, já aconteceu o atropelamento.

O CASO

Uma mulher de 39 anos e os filhos, de 6 e 2 anos, foram atropelados, na noite do último domingo (8), na AL-101 Sul, em Marechal Deodoro. O filho mais velho morreu a caminho do hospital.

Em entrevista a uma emissora de TV local, um parente da mulher, identificada como Dayane Vital da Silva, informou que ela seguia para a casa da mãe com os filhos, na Barra Nova, quando os três foram atingidos pelo veículo.

Ainda segundo o parente de Dayane, testemunhas disseram que o condutor do carro estaria em alta velocidade e distraído no celular, quando atropelou as vítimas, que estavam prestes a pegar um carro. O motorista foi detido e conduzido à Central de Flagrantes, em Maceió.

O Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (SAMU) foi acionado para prestar socorro às vítimas, porém o filho mais velho de Dayane, Bernardo, de 6 anos, morreu antes de chegar ao Hospital Geral do Estado (HGE).