Após matéria da Gazeta de Alagoas, governo anuncia pagamento a transportadores

Secretaria de Educação diz que pagará parcela de dezembro nesta terça; profissionais cobram R$ 12 milhões referentes a três meses de atraso

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) informou nesta segunda-feira (18) que o pagamento à empresa responsável pelo transporte escolar será realizado nessa terça-feira (19). A confirmação acontece após matéria veiculada na edição de fim de semana da Gazeta de Alagoas
Nela, o jornalista Arnaldo Ferreira revela que cerca 200 mil alunos matriculados em 310 escolas da rede estadual de ensino em 102 municípios podem ficar sem transporte escolar caso a Seduc não pague três meses de serviços prestadores pelos transportadores.
Eles cobram o pagamento dos meses de dezembro, janeiro e fevereiro, numa dívida estimada passa dos R$ 12 milhões. Em nota, a Seduc informou que o pagamento desta terça-feira se refere ao mês de dezembro de 2018. 
"A prestação de serviço ocorrida no mês de janeiro, durante  período de férias em diversas escolas, compreendeu menos de 1/3 dos ônibus e o pagamento ocorrerá ainda esta semana", informa.
Segundo a secretaria, o mês de fevereiro está dentro do prazo contratual, que estipula que o pagamento deverá ser feito em até 30 dias após ser protocolado. "Ou seja, pelo contrato, o mês de fevereiro pode ser pago até o final de março", defende o órgão. 
A nota informa ainda que até o momento, a empresa responsável pelo transporte não deu entrada no processo de pagamento, "mas assim que isto ocorrer, a Seduc dará procedimento aos trâmites processuais para efetuar o pagamento o quanto antes".
Como a Gazeta mostrou, o atraso no pagamento dos transportadores afeta centenas de alunos da capital e do interior. Alunos do Centro Educacional de Pesquisa Aplicada (Cepa), o maior complexo de escolas públicas de Maceió, por exemplo, reclamam dos ônibus que atrasam e de alguns que faltam. 
Estudantes como Maria Laura dos Santos, 16 anos, do sexto ano do ensino fundamental, e João Pedro da Silva, da 7ª série, moradores do bairro Benedito Bentes II, se queixaram de atrasos constantes dos ônibus. "Se a gente faltar ou chegar atrasado aqui no Cepa é prejuízo porque a gente perde aula e se complica no período letivo", lamentaram.