Após denúncia contra a Santa Mônica, MP dá prazo para secretário mostrar dados

Órgão observou carência de profissionais e necessidade de concurso público na UTI Neonatal da unidade

O Ministério Público Estadual (MPE), por meio da 17ª Promotoria de Justiça da Capital, estabeleceu o prazo de 10 dias para que o secretário de estado da Saúde, Alexandre Ayres, apresente dados referentes ao quantitativo de servidores lotados na Maternidade Escola Santa Mônica. O ofício assinado pelo promotor de Justiça Coaracy da Fonseca foi publicado no Diário Oficial do MPE, nesta segunda-feira (5).
No pedido, o promotor explica que, durante a apuração de denúncia sobre irregularidades na UTI Neonatal da unidade, foi verificado carência de servidores. Ainda de acordo com o promotor, a situação atual da maternidade requer a realização de concurso público.
Diante dos fatos, o promotor estabeleceu um prazo de 10 dias para que o secretário apresente a quantidade de funcionários contratados, terceirizados e efetivos existentes na Maternidade Santa Mônica, bem como mostre quantos cargos há vagos e informe se já foi aberto procedimento administrativo para a realização de concurso público na unidade de saúde. 
A reportagem entrou em contato com a Secretaria de estado da Saúde (Sesau), cuja assessoria informou que o fato compete à assessoria direta do secretário, já que a maternidade é gerida pela Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal). 

A Uncisal, por sua vez, emitiu nota reconhecendo a carência de servidores, mas afirmando que não tem autonomia para realizar concurso público. Confira na íntegra:
A Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), responsável pela Maternidade Escola Santa Mônica (MESM), em audiência realizada no Ministério Público do Trabalho (MPT-AL) reconheceu a carência de servidores na unidade, mas que não possui autonomia para realizar concurso público. As carências de servidores foram ocasionadas a partir de vacâncias geradas ao longo dos anos, em decorrência de exoneração, aposentadoria, óbitos, além do significativo aumento das demandas de serviços. Outro fator complicador que tem gerado carência e sobrecarga na assistência são os inúmeros casos de afastamento em razão da pandemia.

A Uncisal esclarece, ainda, que sinalizou estar de posse do dimensionamento necessário para contemplar a carência atual de forma mais eficaz, mas que a Universidade não tem recursos próprios para realizar estas contratações. A Universidade destacou, ainda, que a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) deu suporte nas contratações emergenciais diretamente na Maternidade Escola Santa Mônica. A solução apresentada durante a audiência realizada no MPT-AL seria um Processo Seletivo ou no próximo concurso público do Governo do Estado, possivelmente nos primeiros seis meses de 2021, contemplar as carências também da Universidade.

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p