Rebeca Andrade consegue maior nota e avança à final do Troféu Brasil

Além de Rebeca, outros grandes nomes da ginástica artística marcaram presença na competição e apresentaram bons resultados

Rebeca Andrade confirmou o favoritismo nesta quinta-feira (19/5) e avançou à final das barras assimétricas do Troféu Brasil de Ginástica, em Porto Alegre, após conseguir a melhor nota do dia nas eliminatórias. A medalhista olímpica somou 14.667 na avaliação dos juízes e vai em busca de medalha no sábado, quando será disputada a decisão. Jade Barbosa (12.933) e Josiany da Silva (11.700) passaram em segundo e terceiro, respectivamente.

Rebeca está participando de apenas duas provas na competição nacional. Além das barras, está inscrita na trave, prova na qual as classificatórias estão marcadas para sexta-feira. Os dois aparelhos não estão entre as conquistas da paulista nos Jogos Olímpicos de Tóquio, onde foi ouro no salto e prata no individual geral.

No Troféu Brasil, ela não competiu no salto para se poupar para outros campeonatos. O caso é o mesmo do solo, prova em que foi quinta colocada na Olimpíada. Já o individual geral não faz parte do quadro do torneio brasileiro, dedicado apenas às disputas por aparelhos.

De qualquer forma, a ginasta costuma ter bom desempenhos nas diferentes subdivisões do esporte. Não à toa, foi vice-campeã das barras assimétricas no ano passado, durante a disputa do Mundial de Ginástica Artística no Japão, depois dos Jogos Olímpicos. Na mesma competição, ficou com o ouro no salto, assim como na Olimpíada.

Em outra disputa desta manhã, João Vieira foi o melhor da classificatória masculina, com nota 13.850, seguido por Caio Souza (13.650) e Gabriel Barbosa (13.600). A prova também teve a participação de Diogo Soares, finalista do individual geral em Tóquio, que passou em quinto. Arthur Zanetti foi outro a competir no solo, avançando à final com o oitavo lugar. Preocupado em poupar o ombro, ele ficou de fora da disputa das argolas, na qual a melhor nota foi de Caio Souza.

Já Arthur Nory, medalhista de bronze no solo no Rio, em 2016, e campeão mundial da barra fixa em 2019, ficou em sexto na classificatória do cavalo com alças, que teve um empate entre Paulo Castilho e Felipe Machado, ambos com 13.300 no primeiro lugar.