Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > NACIONAL

Washington Rodrigues, o Apolinho, é velado na sede do Flamengo

Apolinho morreu na noite da última quarta-feira (15).


				
					Washington Rodrigues, o Apolinho, é velado na sede do Flamengo
Apolinho; ex-técnico do Flamengo. Reprodução SporTV

O corpo do jornalista e ex-treinador do Flamengo Washington Rodrigues, o Apolinho, está sendo velado na tarde desta quinta-feira na entrada principal da sede do clube, na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro.

A cerimônia é aberta ao público. Além de familiares, amigos e fãs, ex-jogadores como Bebeto e Zé Mario também comparecem à despedida de Apolinho que morreu durante a partida entre Flamengo e Bolívar, na última quarta-feira, pela Libertadores, aos 87 anos. Emocionado, o atacante do Tetra não quis dar entrevista.

Leia também


				
					Washington Rodrigues, o Apolinho, é velado na sede do Flamengo
Bebeto (à direita) e Zé Mário no velório de Apolinho. Fred Gomes

Além de consagrado jornalista que marcou gerações com seus comentários nas rádios Globo e Tupi, Washington era um apaixonado pelo Rubro-Negro.

O vice-presidente rubro-negro Rodrigo Dunshee de Abranches, Bruno Spindel (diretor executivo), Diogo Lemos (Conselho de Futebol) e o mandatário do clube, Rodolfo Landim, que colocou uma coroa de flores em homenagem ao ícone do rádio, estiveram no local para homenagear Apolinho.

- Vamos pensar em mais uma forma de homenagear. Ontem [durante o jogo com o Bolívar] a gente queria ter feito uma ação após o jogo, mas era data da Conmebol e tem uma série de restrições. Ficamos chateados de não poder fazer uma homenagem com a nossa torcida presente - afirmou Landim.

Todo rubro-negro terminou o jogo com uma mistura de sentimentos. Muito felizes com a vitória, mas também muito tristes em função da morte do Apolinho.

Rodolfo Landim

Gerson, meia do Flamengo e autor de um dos gols da vitória sobre o Bolívar, foi um dos representantes do atual elenco do clube a comparecer.


				
					Washington Rodrigues, o Apolinho, é velado na sede do Flamengo
Kléber Leite no velório de Apolinho. Fred Gomes

Presidente responsável por contratar o radialista como treinador do Flamengo, Kléber Leite foi ao local prestar a última homenagem ao amigo. Em 1995, foi quando ele assumiu a tarefa de treinar o time do coração.

Colegas de profissão, como os jornalistas Roberto Assaf e José Carlos Araújo, também se fizeram presentes à despedida de Washington Rodrigues.


				
					Washington Rodrigues, o Apolinho, é velado na sede do Flamengo
José Carlos Araújo no velório de Apolinho. Fred Gomes

Criador de diversos bordões com uma linguagem popular que conquistou ouvintes no rádio carioca ao longo de décadas, o comentarista Washington Rodrigues fez dupla marcante com o narrador José Carlos Araújo, o Garotinho, na Rádio Globo.

O ex-treinador Antônio Lopes, junto ao filho Lopes Júnior, esteve no local.

Apolinho também ficou marcado por uma "previsão" feita durante a transmissão da Super Rádio Tupi da final do Campeonato Carioca de 2001, em 27 de maio daquele ano. Antes de Petkovic cobrar a falta e marcar o golaço que garantiu o tricampeonato do Flamengo sobre o Vasco, Apolinho afirmou:

- E acaba de chegar São Judas Tadeu.

A aventura no comando do Flamengo é a passagem mais marcante de Washington Rodrigues longe do jornalismo. Ele contou ao UOL em 2015 como virou treinador:

- Estava jantando com o Vanderlei Luxemburgo, e o Kleber Leite me convidou para encontrá-lo em um restaurante. Imaginei que queria conselhos sobre o momento do time e fui preparado para sugerir a contratação do Telê Santana. Ninguém queria pegar o Flamengo. O papo varou a madrugada. Até que por volta das 3h30 havia um prato virado na mesa e sem uso.

- O Kleber me disse que tinha um nome e pediu para que virasse o prato. Quando vi que era o meu tomei um susto e perguntei se ele estava brincando. Pensei rápido e aceitei, já que o Flamengo é uma convocação. Foi uma correria. Tinha que me desligar da rádio, TV, jornal. Tudo para evitar conflito.

Foram 26 partidas, 11 vitórias, oito empates e sete derrotas. O time do Ataque dos Sonhos de Sávio, Romário e Edmundo não reagiu no Campeonato Brasileiro e terminou no 21º lugar. Na Supercopa dos Campeões da Libertadores, entretanto, a campanha foi boa. O Flamengo venceu sete dos oito jogos disputados, mas acabou derrotado na decisão em duas partidas com o Independiente.

Além da aventura à frente do Flamengo em 1995, Washington, novamente "convocado" por Kleber Leite, voltou ao clube três anos depois para assumir o cargo de diretor de futebol.

Washington Carlos Nunes Rodrigues nasceu no Rio de Janeiro em, no dia 1º de setembro de 1936. Desde cedo, virou um amante do futebol e sempre se orgulhou em dizer que organizava saídas da escola para frequentar o Maracanã. Foi bancário na juventude.

O apelido Apolinho foi dado para o seu microfone pelo locutor Celso Garcia, em alusão aos equipamentos usados pelos astronautas da missão à Lua Apollo 11. Não demorou para virar a sua marca.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas