Após 22 anos da morte de Ayrton Senna, Rússia recebe GP de F1

É a primeira vez que corrida acontece em 1º de maio desde aquele dia trágico em acidente em 1994

Neste domingo (1) completa-se 22 anos do adeus a Ayrton Senna. É a primeira vez que acontece uma corrida de Fórmula 1 em um 1º de maio desde aquele dia trágico em Ímola em 1994. E neste fim de semana de GP da Rússia, Felipe Nasr preparou uma singela homenagem ao ídolo brasileiro. 
O piloto da Sauber, que largará em 19º na corrida deste domingo, está carregando a assinatura do tricampeão mundial em um lado de seu capacete. Do outro, o selo "Ayrton Senna Sempre", da campanha idealizada pelo Instituto Ayrton Senna para preservar a memória do piloto. Foi uma forma singela de homenagear o ídolo e também Josef Leberer, seu fisioterapeuta, que trabalhou com Senna quando ele corria na McLaren. O austríaco fez aniversário neste sábado, dia 30 de abril.
Nascido em 1992, Nasr era muito pequeno quando Senna morreu. No entanto, já disse ter assistido a vídeos e ouvido diversas histórias sobre o compatriota. Muitas delas no próprio box da Sauber. Afinal, ele trabalha com Josef Leberer, que foi preparador físico e um dos melhores amigos de Ayrton. Josef, aliás, tem criado uma bela relação também com Nasr. Fazendo aniversário neste sábado, ele ganhou uma festinha surpresa nos boxes da equipe suíça e recebeu o bolo das mãos do jovem brasileiro.