Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > INTERNACIONAL

Prost reclama de ter sido “subestimado” e diz que foi melhor que Senna

Francês concedeu recentemente uma entrevista na qual disse, entre outras coisas, que acha que muitas pessoas subestimam sua passagem na F1, enquanto rivalidade com brasileiro também foi discutida

Alain Prost é sem dúvida um dos melhores pilotos da Fórmula 1 de todos os tempos, já que seus quatro títulos mundiais e 51 vitórias o colocam no topo das paradas do esporte. No entanto, apesar destes números, ele raramente é mencionado na mesma página que Lewis Hamilton, Michael Schumacher ou Ayrton Senna.

Segundo Prost, tudo isso pode ser porque as pessoas simplesmente o subestimam e sua carreira, mesmo tendo companheiros como Niki Lauda, ​​​​Keke Rosberg ou o já citado Senna, cuja carreira coincidiu essencialmente com a sua. “Só em 1988 ficou claro o quão bom era, já que estávamos no mesmo carro. Já senti no nosso primeiro teste em Ímola que seria difícil”, disse o francês ao Motor Sport Magazine.

Leia também

O tetracampeão também explicou que a intensa rivalidade e a atmosfera tóxica na McLaren não eram do seu agrado.

“Não posso dizer que gostei. Eu não posso mentir. Eu gostava e adorava corridas e batalhas. Lembro-me de ter saído de férias com o Nelson [Piquet] enquanto brigávamos pelo campeonato em 1983”.

“Keke também era incrível, um dos meus melhores companheiros de equipe. Aí quando o Ayrton chegou tivemos uma atuação sólida, mas não gostei muito. Na verdade, lutei muito, então não foi tão agradável.” Além disso, a mentalidade dos dois competidores era exatamente oposta, era um duelo de “fogo e gelo”.

“Ayrton exalava uma confiança mais séria. Eu era o ‘Professor’, o competidor austero, e ele era o piloto apaixonado e místico que as pessoas gostavam. Ele normalmente conseguia me impressionar em tomada de tempo, mas nunca em condições de corrida. Então eu geralmente era o mais rápido.”

"Às vezes me pergunto: como serei lembrado? Parece uma piada, mas sou totalmente subestimado. Eu sei, eu vejo. Não sei por que, mas de certa forma essa é a minha imagem."

“Parece que isso nunca vai mudar. Mas olhe para meus outros companheiros de equipe: John Watson, René Arnoux, Eddie Cheever, Niki, Keke, Stefan Johansson, Nigel Mansell, Jean Alesi e Damon Hill. Ninguém fala sobre eles. Também tive cinco ‘títulos’ como companheiros de equipe, então é uma pena isso.”

"No entanto, a situação é exatamente assim. Hoje em dia existem redes sociais e todo mundo está falando sobre nossas batalhas. Às vezes eu não entendo isso. Minha carreira não durou apenas dois ou três anos”, concluiu Prost, que por isso acredita que o público só se lembra de suas temporadas na McLaren contra Senna, enquanto suas outras conquistas são ignoradas quando se discute sua carreira na F1.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas