Mesmo sem público, Charles do Bronx faz a festa no UFC Brasília e finaliza Kevin

Em evento fechado por conta do Covid-19, americano deixa o pescoço livre e brasileiro encaixa guilhotina

O público fez falta no ginásio Nilson Nelson na noite deste sábado, no UFC Brasília, principalmente para aplaudir e comemorar junto com Charles do Bronx a vitória diante de Kevin Lee, com uma guilhotina encaixada aos 28 segundos do terceiro round. Recordista de finalizações na organização, com 14 vitórias desta forma, o lutador paulista de 30 anos agora chega a sete vitórias seguidas no peso-leve (até 70kg).
Foi o primeiro UFC sem público na história, motivado pela pandemia do Covid-19 que toma conta do mundo. Após um decreto do governo do Distrito Federal, o Ultimate foi obrigado a realizar o evento com portões fechados.
Na entrevista no octógono após o triunfo, Charles do Bronx - hoje o número 13 da categoria - continuou mirando alto, e citou a luta pelo cinturão da divisão que acontecerá no dia 18 de abril, no UFC 249.
- Vou estar na primeira fila de Ferguson x Khabib. Sou o próximo, não tem como negar isso. São sete lutas e ninguém vai para a decisão. Sou o melhor do mundo, Deus sabe disso. Minha humildade é sempre é a mesma. É a hora! - disse o lutador, que ainda revelou que estava com o ombro machucado sem poder treinar há 15 dias.
A luta
Charles começou colocando pressão com uma sequência com chute frontal, direto de direita e joelhada voadora. Mas Kevin Lee suportou bem, encontrou a distância e começou a colocar bons jabs, entrando na curta distância. Foi aí que Charles levou para onde é uma lenda. Ao botar para baixo, tentou atacar o pé, calcanhar e o braço do americano, que escapuliu como pôde. Os dois permaneceram enganchados, sempre com uma finalização próxima. No fim, Kevin Lee terminou golpeando bem por cima, mas já não tinha tempo de mais nada.
No início do segundo round, Lee conectou bem um overhand de direita, e Charles do Bronx disparou um bom golpe rodado na resposta. O americano aplicou dois bons diretos, que o brasileiro absorveu bem. Foi aí que entrou um upper de Do Bronx que balançou Lee. Logo depois, um novo upper, seguido de joelhada e overhand. Em desvantagem, Kevin Lee se antecipou a uma joelhada e levou para baixo. Do Bronx quase conseguiu uma finalização de omoplata, mas Lee saiu bem.
Chegou o terceiro round, e Charles do Bronx já disparou um bom chute alto. Lee cruzou golpes que entraram bem. E aí a história mudou. Se, no round anterior, Kevin Lee aproveitou uma joelhada para levar para o chão, dessa vez ao ir na perna o americano deixou o pescoço livre. Do Bronx mostrou o motivo de ser o maior finalizador da história do UFC. Ele rapidamente encaixou uma guilhotina justíssima e só restou a Lee dar os três tapinhas para desistir. Na sequência, o americano ainda tentou voltar à luta, ainda desnorteado sobre o que tinha acontecido ao voltar a respirar.
UFC Brasília
14 de março de 2020, no Distrito Federal
CARD PRINCIPAL
Charles do Bronx venceu Kevin Lee por finalização aos 28s do R3
Gilbert Durinho venceu Demian Maia por nocaute técnico aos 2m34s do R1
Renato Moicano venceu Damir Hadzovic por finalização aos 44s do R1
Nikita Krylov venceu Johnny Walker por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Francisco Massaranduba venceu John Makdessi por decisão unânime (30-27, 30-27, 29-28)
CARD PRELIMINAR
Brandon Moreno venceu Jussier Formiga por decisão unânime (30-27, 29-28, 29-28)
Amanda Ribas venceu Randa Markos por decisão unânime (30-26, 30-25, 30-25)
Elizeu Capoeira venceu Alexei Kunchenko por decisão unânime (triplo 29-28)
Rani Yahya e Enrique Barzola empataram por decisão majoritária (28-28, 28-28, 29-28 Barzola)
Maryna Moroz venceu Mayra Sheetara por decisão unânime (triplo 29-28)
David Dvorak venceu Bruno Bulldoguinho por decisão unânime (triplo 29-28)
Bea Malecki venceu Veronica Macedo por decisão unânime (triplo 29-28)