Lendas da F1 fazem suas apostas para luta entre Hamilton e Vettel no GP dos EUA

Com 59 pontos de vantagem, piloto inglês pode conquistar o tetra já neste domingo se vencer a prova e Vettel receber a bandeirada no máximo em sexto

Lewis Hamilton, líder do mundial com 306 pontos, e Sebastian Vettel segundo na classificação, com 247 pontos, juram não pensar na definição do título, mesmo com a matemática mostrando que o piloto inglês pode ser campeão já neste domingo, em Austin.
Ele precisa aproveitar a condição de largar na pole position do GP dos Estados Unidos, vencer 17ª a prova do calendário, e torcer para Vettel, segundo no grid, receber a bandeirada no máximo em sexto. Hamilton pode ainda terminar em segundo, mas neste caso o alemão da Ferrari teria de ser no máximo nono.
Apesar de ambos dizerem que estão tratando o evento no Circuito das Américas como os demais da temporada, os outros profissionais da F1 estão bastante atentos à eventual definição do título. Porque, como afirmou Toto Wolff, diretor da Mercedes, "estamos aqui para isso".
O GloboEsporte.com percorreu o paddock do autódromo no Texas para ouvir pilotos, ex-pilotos, técnicos e dirigentes sobre o que esperam da luta final entre Hamilton e Vettel. O resultado é este:
Emerson Fittipaldi, campeão do mundo de 1972 e 1974 e da Indy em 1989
- Sabemos que tudo pode acontecer, mas será muito difícil Lewis não conquistar outro mundial. E ele merece, é um grande embaixador da F1. Eu o conheci na F3, em 2005. Fui jantar com ele, seu pai e Norbert Haug, ex-diretor esportivo da Mercedes. Norbert me disse para prestar atenção em Lewis, pois era um piloto diferenciado. Passei a vê-lo mais de perto e concordo, é um piloto notável. Ao mesmo tempo, estou feliz por ver a Ferrari tão forte este ano, é importante para a F1. O legal também é que o título está em jogo no circuito mais espetacular desenhado pelo Herman Tilke (arquiteto alemão), este aqui em Austin.
Helmut Marko, homem-forte da RB e STR
- A Ferrari mais perdeu esse campeonato do que a Mercedes venceu. Eles tinham carro para vencer as quatro primeiras corridas do ano, estavam na frente, mas não o fizeram. A Mercedes melhorou seu carro, deixou a Ferrari para trás e surpreendentemente a Ferrari voltou a ser forte. Mas aí eles tiveram os problemas que vimos nas últimas corridas. Uma pena nós não termos um pouco mais de potência, nosso chassi é melhor que o deles, estaríamos na frente de Mercedes e Ferrari."
Eddie Jordan, ex-piloto e dono de equipe de F1
- Lewis está no seu máximo como piloto. Aponte um único erro que cometeu este ano. Está focado, comprometido integralmente com o trabalho. Já Sebastian, que também disputava grande campeonato, acabou depois do erro na largada em Cingapura, refiro-me à possibilidade de ser campeão este ano.
Sean Bratches, diretor comercial da F1
- Bem, como um dos responsáveis pelo espetáculo, obviamente vou torcer para que Lewis Hamilton estenda a definição do título até a última etapa do campeonato, em Abu Dhabi (dia 26 de novembro). Mas Lewis é um piloto icônico.
Jacques Villeneuve, campeão do mundo de 1997
- Este GP (dos Estados Unidos) é decisivo. A Ferrari cometeu vários erros, deu para Lewis muitos pontos. Lewis absorveu essa energia que agora está faltando a Ferrari. Se Sebastian não mudar isso aqui em Austin, informar Lewis que está vivo na disputa, então definitivamente o campeonato acabou.
Damon Hill, campeão do mundo de 1996
- O vento está soprando forte a favor de Lewis. A Ferrari perdeu uma grande oportunidade (de poder ser campeã) este ano. Agora, Sebastian só fica com o título se esse vento soprar contra Lewis e a seu favor. Em condições normais, com a diferença de pontos entre ambos, não há como.
Zak Brown, diretor da McLaren
- Os números estão a favor de Lewis. Com apenas quatro corridas, será muito difícil Sebastian voltar à liderança. A questão da confiabilidade do equipamento se mostrou decisiva na luta entre os dois. E no ano que vem, com a redução de quatro para três motores, essa questão ganhará importância ainda maior.
Michael Andretti, campeão da Indy em 1991
- A Ferrari deu tantos pontos para Lewis que não vejo agora como recuperá-los. Creio que Lewis, com méritos, será o campeão.
Charles Leclerc, monegasco de 19 anos, campeão da F2, deverá estrear na F1 pela Sauber em 2018
- A Ferrari tem o melhor carro, o mais rápido, e Sebastian é também o melhor piloto, mais completo, portanto pode ainda ser campeão. (Leclerc pertence a academia da Ferrari e se ratificar o talento que parece ter deverá ser titular da equipe italiana em um futuro próximo)
Esteban Ocon, francês de 21 anos, piloto da Force India
- A Mercedes mostrou, este ano, o que pode fazer tendo também adversários." (referia-se ao fato de o time alemão não ter concorrência nas três últimas temporadas. Ocon é piloto da academia da montadora alemã e pode vir a ser titular no futuro).
Marc Surer, ex-piloto suíço que competiu na F1 de 1979 a 1986, quando passou para o rali
- O campeonato acabou. Lewis é o campeão. Sua vantagem é enorme. Sebastian precisaria que ele não fizesse pontos em duas das quatro corridas que faltam, bem pouco provável. Quanto a lutar pelas vitórias nesses quatro GPs, penso que as chances de ambos são as mesmas.
Bob Fernley, diretor da Force India
- O que vimos nesse final de campeonato é um bom exemplo do que a confiabilidade da Mercedes é capaz de fazer. A Ferrari se perdeu nas três corridas da Ásia, em duas delas por causa de problemas no carro. Já Lewis dispõe da eficiência e confiabilidade da Mercedes, além de ser um grande piloto, claro. Por isso não vejo como, hoje, não ser campeão.
Gil de Ferran, bicampeão da Indy, em 2000 e 2001
- Lewis será campeão. E desta vez não por causa da superioridade da Mercedes. Estão fazendo um grande trabalho juntos e principalmente não cometeram erros até agora.
Bertrand Gachot, ex-piloto francês, que por ter sido preso, em 1991, permitiu Michael Schumacher estrear na F1, pela Jordan, na Bélgica
- Todos sabem que já acabou, Lewis será o campeão. A Ferrari cometeu muitos erros e a sorte também não estava com eles.
Martin Brundle, ex-piloto inglês, na F1 de 1984 a 1996
- Lewis disputa sua melhor temporada na F1, manteve-se veloz, como sempre, mas está mais lúcido, equilibrado, sereno, não erra, mesmo no limite, como quase sempre na pista. Sua vantagem é o resultado não apenas dos problemas da Ferrari, mas de seu estado de graça como piloto e provavelmente como pessoa.
Steve Nielsen, ex-diretor esportivo da Williams e Renault, hoje do time de Ross Brawn na FOM
- Uma pena a Ferrari ter enfrentado os problemas na Malásia e no Japão. Assistiríamos Lewis e Sebastian lutando pelo título como vinha sendo até então até a etapa final do campeonato. Agora, Sebastian só reverte a vantagem se Lewis também passar pelo que ele passou, o que pode acontecer uma vez, mas duas não, pelo menos é bem pouco provável em quatro etapas. Por isso, Lewis deverá ser campeão.

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p