Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > INTERNACIONAL

Com R$ 32 mi de aporte e ajuda de Rosberg, Kubica fecha com Williams para 2018

Verba dos patrocinadores e influência do campeão da F1 em 2016 foram decisivas para a equipe inglesa assinar contrato com o polonês

Por Rafael Lopes e Reginaldo Leme

O Grande Prêmio do Brasil, no último domingo, marcou a despedida de Felipe Massa em um carro de Fórmula 1 do circuito de Interlagos. E com a vaga aberta na Williams, ficou a questão: quem vai assumir a vaga do brasileiro na temporada 2017? O Canal +, TV que detém os direitos da categoria na França, cravou, durante a transmissão da corrida: será o polonês Robert Kubica, fora da Fórmula 1 desde o dia 6 de fevereiro de 2011, quando teve um grave acidente no rali Ronde di Andorra e sofreu sérias lesões no braço direito.

Leia também

A informação ainda não foi confirmada oficialmente pela Williams, mas os blogs Voando Baixo e Sinal Verde trazem mais detalhes sobre o acordo, assinado dois dias após o GP do México. Duas coisas foram decisivas para o contrato de uma temporada do polonês com a equipe inglesa. Primeiro, é claro, a questão financeira: Kubica vai levar R$ 32 milhões (?8 milhões) para o time por meio de seus patrocinadores. Outro fator decisivo: a atuação de Nico Rosberg, campeão da F1 em 2016, e que integra o time de empresários do polonês desde o meio deste ano. O alemão foi essencial no processo de convencimento dos dirigentes da Williams.

Com a verba dos patrocinadores e a influência de Rosberg, a Williams aceitou dar a chance para o retorno do polonês à F1. Mas só após dois testes com o carro de 2014, a portas fechadas, em Silverstone e Hungaroring, ambos em outubro. O polonês andará pela primeira vez com o carro de 2017 da equipe inglesa após o GP de Abu Dhabi, daqui a duas semanas, no Circuito da Yas Marina. Vale lembrar que a equipe inglesa perderá dois patrocinadores importantes em 2018: a Randstad e a Avanade. Isso sem falar nas outras (péssimas) opções de pilotos: o escocês Paul di Resta, o alemão Pascal Wehrlein e o russo Daniil Kvyat. Kubica, de longe, era a escolha menos ruim.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas