Acidentes aéreos já devastaram clubes como Man. United e Torino

Bobby Charlton, maior craque inglês, sobreviveu ao acidente. Alianza de Lima e até seleções, como de Zâmbia e Dinamarca, também tiveram vítimas

A tragédia aérea com o avião que levava a delegação da Chapecoense nesta madrugada de terça-feira no voo para Medellín para a final da Copa Sul-Americana é uma triste história já repetida diversas vezes com clubes de futebol. Houve várias perdas em acidentes aéreos. Devastações de clubes como Manchester United, Torino, Alianza de Lima e as seleções de Zâmbia e Dinamarca foram algumas das mais chocantes.

Manchester United faz homenagem no Old Trafford aos jogadores do acidente de 1958 - Foto: FOTO: Agência Getty Images

O Manchester United que encantava o mundo nos anos 1950 foi devastado pelo acidente aéreo de 6 de fevereiro de 1958. Após a partida da equipe inglesa contra o Estrela Vermelha de Belgrado, pelas quartas de final da Liga dos Campeões da Uefa, o voo BE609 da British Airways que regressava para a Inglaterra acabou abatido por uma tempestade de neve quando tentava decolar pela terceira vez do Aeroporto de Munique. 
Houve 23 mortos na delegação, entre eles oito jogadores, como o craque do English Team Duncan Edwards. Morreram também Roger Byrne, Mike Jones, Eddie Colman, Tommy Taylor, Lian Whelan, David Pegg e Geoff Bent. Mas houve sete sobreviventes, entre eles o maior jogador da história do futebol inglês, Sir Bobby Charlton, que oito anos depois ajudaria o English Team a conquistar sua única Copa do Mundo.
Torino
Quase nove anos antes, no entanto, aconteceu também a tragédia de Superga, com o brilhante time do Torino, tetracampeão italiano. O desastre ocorreu no dia 4 de maio de 1949. O avião que retornava com a delegação de uma partida em Lisboa contra o Benfica, prejudicado por um forte nevoeiro, chocou-se com o campanário da conhecida Basílica de Superga em Turim. Todos os 42 integrantes morreram na hora, incluindo  o elenco da equipe italiana.
A tragédia abalou toda a Itália. O Torino era o maior time da época, chamado de Grande Torino. Cerca de 500 mil pessoas acompanharam os funerais. O time partia para o quinto scudetto consecutivo e teve de recorrer a juvenis para disputar o campeonato até o fim. O detalhe é que os outros clubes, em solidariedade, fizeram o mesmo, e com isso o pentacampeonato foi conquistado. 

Acidente com avião que levava o Torino, maior time da época na Itália: 42 mortos - Foto: FOTO: Agência Getty Images

Alianza de Lima
Nos anos 1980, o desastre nos ares chegou à América do Sul. No dia 7 de dezembro de 1987, caiu no mar o Fokker F27 de propriedade da Marinha peruana que levava o Alianza de Lima para Pucalipa para enfrentar o Deportivo pelo Campeonato Peruano - no qual era líder. 
Todos os jogadores do elenco e a comissão técnica morreram na hora, além de oito líderes de torcida, do árbitro Miguel Piña e dois oficiais da Marinha. Apenas o piloto Edilberto Villar Molina sobreviveu. 
O clube foi obrigado a recrutar jogadores da base e aposentados como o craque Teófilo Cubillas. Mas acabou perdendo o campeonato.
Seleções de Zâmbia e Dinamarca
Houve seleções também vitimadas no ar. No dia 27 de abril de 1993, um avião da Força Aérea de Zâmbia que se dirigia para o Senegal caiu no mar pouco depois de ter sido abastecido no Gabão. No acidente morreram todos os 30 ocupantes do voo, que eram da delegação de Zâmbia. Havia 17 jogadores e 13 integrantes da comissão técnica.    
A seleção de futebol da Dinamarca também teve vítimas no acidente aéreo em 16 de julho de 1960 logo após a decolagem do aeroporto de Kastrup, em Copenhague. Oito jogadores morreram.

Torino divulga post lamentando a tragédia com a Chapecoense - Foto: FOTO: Reprodução

Receba notícias da GazetaWeb no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta acessar a nossa comunidade:

https://4et.us/rvw00p