Ídolo em campo, grosseria fora: Gabigol tem histórico de destratar fãs

Grosseria do atacante do Flamengo com fãs incomoda pessoas dentro do clube

Gabigol, sem sombra de dúvidas, é uma atração garantida para torcedores do Flamengo que sempre estão presentes no Maracanã. No entanto, mesmo sendo ídolo dos torcedores, o jogador não costuma ser muito simpático fora de campo. Desde que a coluna LeoDias publicou o relato de torcedores do Flamengo que presenciaram uma confusão armada pelo atleta em restaurante no Rio de Janeiro na última terça-feira (9/8), fãs de Gabigol decidiram expor suas experiências nada agradáveis e até embaraçosas e a coluna te conta agora alguns desses episódios.

Barraco em restaurante foi maior do que se pensa

Pessoas presentes no restaurante Fratelli – no Rio de Janeiro -, palco da confusão da última terça-feira (9/8), contaram à coluna que teve o envolvimento do irmão do empresário Leo Fuchs que já agenciou a carreira de renomados artistas como Bruno Gagliasso e Fernanda Souza. Guilherme Fuchs viajou de longe para assistir a classificação do Flamengo e, ao ver o atacante, ídolo de seu filho, resolveu pedir uma foto ao jogador.

“Gabigol, meu filho queria só uma foto. Vi que você não está mais comendo. Você se incomoda?”. Mesmo Fuchs tendo tratado o atacante com educação, Gabigol teria sido grosseiro e começado a discutir com o homem. Após a confusão, torcedores começaram a vaiar o atleta no meio do restaurante.

Torcedor que veio de longe ignorado pelo atacante

Semanas antes dessa confusão, fontes da coluna também relataram que Gabigol teria ignorado um torcedor que viajou da Flórida – nos Estados Unidos – só para assistir a uma partida do Flamengo e conhecer o atacante. O fã teria ficado até 3h da manhã na porta de um restaurante, evitando entrar no estabelecimento para não incomodar.

“Gabi, meu filho joga futebol no time do colégio na Flórida. Ele te adora. Essa hora ele já dormiu. Posso fazer uma foto sua comigo pra ele ficar feliz? Vim lá da Flórida só pra ver você jogar”, pediu o torcedor.

Mesmo com o pedido e todo o esforço feito pelo fã, Gabigol virou de costas e alegou cansaço para não fazer o registro: “Eu vim lá de São Bernardo. São 3 horas da manhã. Foi mal”.

Fratelli como palco de confusões

No ano passado, um torcedor também tentou se aproximar do atacante no restaurante Fratelli. Amigo de um funcionário do Flamengo, o fã foi alertado que Gabigol não costuma tratar fãs com gentileza fora das quatro linhas. Ainda assim, o torcedor foi à mesa do atacante pedir uma fotografia. Recebeu um não como resposta. “Você não tá vendo que eu tô na mesa do restaurante? Não fode, pô”, teria dito o atacante.

Falta de educação reprovada internamente

As recorrentes grosserias do jogador com torcedores já são conhecidas por funcionários e diretores do Flamengo. Torcedores presentes no restaurante Fratelli viram Marcos Braz, nome forte do futebol do clube, balançando a cabeça, reprovando a atitude do atacante em meio a confusão da última terça-feira (9/8).

A coluna procurou a assessoria de imprensa do atleta e, até o fechamento desta matéria, não obteve resposta. O espaço segue aberto para futuras manifestações.