Hamilton quis desistir do GP da Espanha após bater para salvar motor

Heptacampeão foi atingido por Magnussen no começo da prova e despencou do sexto para o 19º lugar, mas fez excelente prova de recuperação e terminou em quinto

Antes esperançosa diante das chances com as atualizações em seu carro, a Mercedes foi do céu ao inferno no GP da Espanha neste domingo. Largando em sexto lugar, Lewis Hamilton despencou 13 posições e ficou em 19º após ser tocado por Kevin Magnussen. Ele pediu para abandonar a prova, mas ouviu recomendação do time e permaneceu na prova, chegando na quinta colocação.

- Eu estava 30s atrás, então pensei se gastaria meu motor inteiro para ficar em último, ou se sequer sairia do top 15 pra em algum momento, ser punido (por exceder o número de três trocas de unidades de potência). Pensei que devíamos resguardar o motor e viver para lutar outro dia. Graças a Deus não fizemos isso. É por isso que nunca paramos, nunca desistimos e foi o que eu fiz - disse ele.

Magnussen veio por fora para tentar passar o heptacampeão na curva 4, mas tocou na roda dianteira esquerda do rival e foi direto para a brita, caindo pra último. Já o piloto da Mercedes sofreu um furo no pneu e teve que visitar os boxes ainda na primeira volta da prova, retornando em 19º.

- Se eu fosse vocês, gente, eu economizaria esse motor. Sinto muito - comunicou Hamilton pelo rádio da equipe.

No entanto, Peter Bonnington, engenheiro do britânico, recomendou que ele permanecesse na disputa. Bono, como Hamilton o chama, ainda encorajou o piloto ao dizer que os softwares da Mercedes previam que ele poderia chegar em oitavo lugar.

O Circuito de Barcelona-Catalunha não costuma propiciar um alto número de ultrapassagens, mas desde as mudanças na configuração da pista em 2021, o autódromo tem fornecido provas mais agitadas que as dos anos anteriores. Na altura da volta 40, Hamilton já estava entre os dez primeiros.

Depois de substituir suas asas traseiras e dianteiras em Miami, a Mercedes trouxe para a pista espanhola atualizações que incluíam outro assoalho e mudanças na asa dianteira, sobretudo. O desempenho do heptacampeão, superior até ao do colega George Russell, animou o chefe Toto Wolff:

- Seu ritmo foi impressionante. Ele teria competido para vencer. Estou feliz por não termos tirado Lewis da prova, pois essa foi a corrida mais valiosa para nós compararmos os dois carros, ajustes e pneus. Quando você basicamente já perdeu a corrida, precisa decidir: qual é o benefício de continuar? Do ponto de vista do piloto, você pensa: "não é possível, estou a 50s dos líderes". Mas ainda é uma distância valiosa a se percorrer. De qualquer forma, nunca vamos desistir.

O heptacampeão ainda enfrentou - e venceu - Carlos Sainz, da Ferrari, pelo quarto lugar na prova. Porém, um vazamento de água nas duas Mercedes levou o time a recomendar que ele e Russell tirassem o pé. Com isso, o espanhol pôde devolver a manobra e retomar o quarto posto.

- Disseram que talvez eu pudesse chegar ao oitavo lugar e não parecia um resultado impressionante, mas pelo menos eu pontuaria. Então fiquei muito feliz por estar lutando pelo quarto lugar. O carro estava ótimo e nosso ritmo mais próximo dos melhores da corrida, o que é incrível. Eu tinha ficado realmente muito infeliz no início, mas não desisti. É isso que fazemos, certo? - adicionou Hamilton.

Briga com a RBR?

O desempenho encorajador da Mercedes nos treinos livres e na classificação fez Hamilton e Russell crerem na chance de batalhar com a Ferrari, vendo a RBR como um alvo ainda distante. Mas após a prova deste domingo, o heptacampeão mudou de ideia:

- Este é um grande sinal de que estamos caminhando na direção certa. Não tenho dúvidas de que em algum momento venceremos, porque hoje, se isso (o contato com Magnussen) não tivesse acontecido, teríamos brigado com a RBR. Isso me dá grande esperança de que em algum momento estaremos lutando pela vitória.

Eleito piloto do dia pelo público, Hamilton está na sexta colocação do campeonato de pilotos com 46 pontos; Verstappen é líder, com 110 contra 104 de Leclerc. A F1 retorna no próximo domingo, 29 de maio, com o GP de Mônaco.