Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > ALAGOANO

Rafael Tenório diz que parceria com grupo americano deve ser fechada em 45 dias

Projeto que pretende transformar o CSA em uma Sociedade Anônima com capital social fechado deverá ser concretizado até o dia 15 de setembro

O Centro Sportivo Alagoano (CSA) poderá fechar com um grupo americano para ser transformado em uma Sociedade Anônima, dentro de cerca de 45 dias. Ao menos foi o que revelou o presidente do clube marujo, Rafael Tenório, na tarde desta quarta-feira (31), em entrevista à Rádio 1020 AM. Tenório disse, ainda, que o CSA deve sair do Mutange muito em breve, já que o centro de treinamento está na área de risco. "Vamos sair do Mutange. É irreversível", disse o mantadário do Azulão.

Tenório falou sobre essa pretensão de o CSA ser transformado em uma S.A. - modelo de companhia com fins lucrativos, caracterizada por ter o seu capital financeiro dividido por ações -, e explicou que existe um grupo chinês, com representantes em São Paulo, Minas Gerais e Califórnia (EUA) e também um grupo americano, com representantes no Rio de Janeiro.

Leia também

"Eles já estiveram três vezes em Maceió. Eu, o Raimundo Tavares (presidente do Conselho Deliberativo) e o Hugo Leahy (superintendente administrativo) estivemos lá também. Mandamos uma radiografia do CSA, o estatuto do clube, os três últimos balanços, um histórico do passivo do clube. Entregamos a um escritório de advocacia, especialistas em aberturas clube-empresa, de S.A. dentro do futebol. Eles elogiaram o estatuto do CSA, acharam muito moderno e enxuto", explicou o mandatário azulino.

O processo de transformação do CSA em uma Sociedade Anônima, segundo ele, está em andamento e, para ser concretizado, Tenório disse que é só uma questão de documentação, de Junta Comercial. "Acredito que em 45 dias isso estará prontinho. Mesmo porque os investidores têm pressa também, pois temos que aproveitar o momento em que o CSA está na Série A, o que tem um peso a mais. Imagino que no dia 7, 10 ou até 15 de setembro estaremos com a S.A. aberta, para sentar com os investidores e tratar de questão de percentual e de valores", informou.


				
					Rafael Tenório diz que parceria com grupo americano deve ser fechada em 45 dias
FOTO: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas

O presidente do Azulão acrescentou que viajará no domingo (4), para o Rio de Janeiro, com Tavares e Leahy, onde terão uma reunião na próxima segunda-feira (5), às 10 horas, com os representantes desse grupo americano e com os advogados, para fazer uma explanação final de como será a montagem, a abertura da S.A. "Já temos mais ou menos a marca do CSA avaliada, que foi publicada em um site do Rio de Janeiro, junto com as marcas dos 20 clubes da Série A do Brasileiro, e que a do CSA está à frente do Avaí e do Fortaleza, girando em torno de 90 milhões de reais. Agora precisamos ter esse estudo para o escritório de advocacia que foi contratado fazer esse trabalho", disse.

Rafael Tenório adiantou também que o CSA será uma Sociedade Anônima com capital fechado. "Isso porque eu posso escolher com quem eu quero ter relações, quem eu quero trazer para dentro da minha casa. E se for S.A. com capital aberto para ações, bolsa de valores, qualquer pessoa poderá adquirir ações para a empresa. E não queremos isso. Nós vamos encontrar um parceiro ou dois e vamos dizer o quanto estamos dispostos a abrir o percentual, se 60% 70%? Vai depender muito do parceiro que nós conseguirmos".

Sobre o quanto seria esse valor, o presidente azulino informou que, de acordo com o site em que saiu a avaliação das marcas dos 20 clubes da Série A, a do CSA está em torno de 88 milhões a 90 milhões de reais. "Então, como isso funciona? Precisamos ter esse estudo do valor dessa marca por uma empresa especializada de Campinas, em São Paulo, que faz avaliação de marcas".

Sobre o percentual, ou seja, quanto seria do CSA e quanto seria dos investidores, Tenório revelou que os investidores já externaram que pretendem ficar com 70% e o clube ficaria com 30%. Ele explicou: "Esse dinheiro vem para o CSA, pertence ao CSA, e vamos investir na construção de um estádio ou fazer investimento no CT, pois pensamos nos problemas da Braskem e vamos sair do Mutange. Já conversei com o deputado Silvio Camelo, que está cuidando dessa parte, por causa desse problemas da Braskem. Então, esses recursos são para ser investidos nos 30% do clube. A S.A. passa a administrar o clube, a parte de futebol do clube. Ela é a gestora principal e vai contratar executivos para tomar conta da empresa S.A.".

Quanto ao risco de tal transação não vir a dar certo, Rafael Tenório, bastante otimista, falou: "É uma coisa extremamente profissional. Não tem como dar errado porque é um processo empresarial, investimento com previsão de retorno, visando ao lucro. E já existe no Senado, eu tomei conhecimento com esses advogados que consultamos, um projeto que trata da questão de os clubes de futebol terem a obrigatoriedade de se tornarem empresa, S.A., e que se não fizerem isso correrão o risco de perder os benefícios que são dados aos clubes de futebol. Isso já está tramitando no Senado e poderá ser aprovado a qualquer momento".

CT Gustavo Paiva sairá do Mutange


				
					Rafael Tenório diz que parceria com grupo americano deve ser fechada em 45 dias
FOTO: Gustavo Henrique/Ascom CSA

E por falar em Mutange, sobre o problema que atinge aquele bairro, o mesmo que vem afetando os bairros adjacentes, como Bebedouro, Bom Parto e Pinheiro, Rafael Tenório confirmou que o Centro de Treinamento Gustavo Paiva, do CSA, terá de sair mesmo do Mutange.

"Vamos sair do Mutange. É irreversível. O Mutange está em área de risco, área vermelha. Estivemos com o presidente do Tribunal de Justiça TJ-AL, uns 15 dias atrás, o desembargador Tutmés Airan, que é o responsável por esses processos de indenizações, de fazer um estudo de valores das áreas atingidas, e só estamos precisando agora desse documento que será fornecido pela Defesa Civil e membros da ALE, para comunicar a gente oficialmente, para passar esse documento ao TJ-AL e o órgão nomear peritos para fazer uma avaliação da área do CT do Mutange. Mas teremos, sim, que sair daquela área", revelou.

"E, dentro do nosso projeto de mudança, a primeira cidade que pensamos foi Rio Largo, onde já estivemos algumas vezes com o prefeito Gilberto Gonçalves, e foi oferecida ao CSA uma área para que pudéssemos construir o nosso CT e, a partir disso, é pensar grande e construir também o nosso estádio", encerrou Rafael Tenório.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas