Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > ALAGOANO

Governo Renan Filho abandona memorial e a história da Rainha Marta

Visitantes do Estádio Rei Pelé estão há mais de três meses sem poder entrar no museu dedicado à maior atleta alagoana

A história ao léu. Uma reportagem da Folha de São Paulo escancarou para o Brasil, nesta semana, o descaso do Governo Renan Filho (MDB) com o Memorial Rainha Marta. O espaço dedicado à alagoana está fechado há mais de três meses, impedindo que a história da maior jogadora de futebol de todos os tempos seja conhecida pelos visitantes do Estádio Rei Pelé, situado no Trapiche da Barra, em Maceió.

A problemática, porém, fica por conta das investidas públicas e de marketing do governador, que utiliza a figura da "rainha" para autopromoção em publicações nas redes sociais.

Leia também

Em seu discurso de posse após reeleição em janeiro de 2019, o chefe do Executivo Estadual enfatizou que Marta "é­­ a maior alagoana viva". Prosseguiu dizendo que, se o Estádio Rei Pelé tivesse sido construído durante sua administração, levaria o nome da rainha.


				
					Governo Renan Filho abandona memorial e a história da Rainha Marta
FOTO: Thiago Henrique

Às pressas, o museu foi inaugurado em 23 de dezembro de 2014, durante o governo de Teotonio Vilela Filho, e, um dia depois, foi fechado para novos reparos estruturais. Já com Renan Filho no comando, o local ficou fechado durante um ano e meio, tendo sido reativado em junho de 2016. À época, durante a reabertura, a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude (Selaj) explicou o porquê da atitude e do longevo tempo de obras.

"O memorial foi uma das intervenções que aconteceram no Estádio Rei Pelé. Teve a inauguração, mas não teve estrutura para disponibilizar esse espaço para a sociedade. Achamos que seria importante, mesmo que não estivesse 100% concluída, mostrar que a visitação já está disponível, porque já havia um tempo longo que estava parado", disse a secretária da Selaj, Cláudia Petuba, à época.

Outra reportagem, agora produzida pelo Globoesporte.com, em julho de 2019, denunciou que o espaço estava fechado e não expusera os itens esperados para um museu do tamanho da história de Marta. Além disso, apontava que o local estava fechado às 16h05 - dentro do horário de funcionamento - e com mato perto da parede na qual ilustrava a trajetória da jogadora desde sua infância difícil na cidade de Dois Riachos, interior de Alagoas.

Em resposta, à época, a Selaj informou que "o Memorial Rainha Marta passará por melhorias estruturais e tecnológicas com o objetivo de destacar as conquistas da jogadora Marta, atendendo assim turistas, torcedores e a população alagoana em geral". Nisso, novamente, o espaço foi interditado para reparos que permanecem pendentes até os dias atuais.


				
					Governo Renan Filho abandona memorial e a história da Rainha Marta

A

Gazetaweb

visitou as obras do museu às 16h09 da segunda-feira (6) e não encontrou homens trabalhando, apenas uma escada de metal. Em nota enviada à redação, a Selaj informou que "o memorial tem passado por várias melhorias estruturais e modernização, o que tem demandado tempo para a execução de todo o cronograma e deixá-lo apto para receber visitantes". Ainda de acordo com a nota, "o espaço contará com acervo que demonstrará a trajetória da homenageada, com equipamentos que possibilitarão interação com o público".

No entanto, é a mesma promessa feita durante a reabertura em 2016. "Vamos tertabletsaqui para que, quando as pessoas entrarem, esteja tudo automatizado. Ela [voz da jogadora] vai dizer 'Bem-vindos ao Memorial Rainha Marta', vai ter audiodescrição e luzes acendendo nas prateleiras. Por enquanto, fizemos só alegoria", falou Cláudia Petuba.

Também em 2016, a secretária da gestão de Renan Filho garantiu que levaria entre dois a três meses para ter o acervo da carreira de Marta por completo em exposição. Sobre isto, segundo a secretaria, a Rainha Marta não doou objetos para o acervo do memorial, e os itens tiveram de ser adquiridos com recursos próprios da Selaj.

ÀGazetaweb, a Secretaria de Esportes, Lazer e Juventude do Estado pontuou que o memorial à maior desportista alagoana deverá ser reaberto ainda no primeiro semestre de 2020.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas