Em jogo sem emoção, CRB e CSA ficam no empate sem gols, no Estádio Rei Pelé

Equipes deixaram a desejar tecnicamente; com resultado, Galo passa a somar 48 pontos e fica na 5ª posição, fora do G-4; enquanto o Azulão agora tem 42 pontos e está coladinho ao rival, em 6º lugar

Em um Clássico das Multidões fraco e sem emoção alguma, válido pela Série B do Brasileiro, CRB e CSA ficaram apenas no empate sem gols, na noite deste sábado (2), no Estádio Rei Pelé. A partida, válida pelo returno da competição, foi disputada pela 28ª rodada e teve a presença apenas da torcida regatiana, por ser o time o mandante do jogo.

Com esta vitória, o Galo é o 5º colocado, com 48 pontos, estando fora do G-4. E o Azulão ocupa agora a 6ª posição, coladinho ao rival, somando 42 pontos. Mas o time azulino poderá ser ultrapassado pelo Vasco, que joga ainda neste domingo (3). Clique aqui para ver o Tempo Real

Na próxima rodada, a 29ª, o CRB vai voltar a campo na sexta-feira (8), contra o Botafogo-RJ, no Engenhão, às 19 horas. Quanto ao Azulão, vai receber o Brusque, no Rei Pelé, no sábado (9), às 21 horas.

1º Tempo

Jogo teve pouca produção ofensiva, sobretudo por parte do CSA - Foto: Ailton Cruz

Os times eram receosos no início da partida. Muitos toques na defesa, lançamentos para o meio de campo, mas sem sucesso e faltas na intermediária. O CSA começou com a marcação adiantada e o jogo do Galo passava muito pelos pés de Diego Torres. Chegando aos 8 minutos, nenhum time havia finalizado na meta, nem para fora.

O jogo era, na verdade, sem emoção no início, sem nenhuma jogada de perigo dos dois lados e sem os goleiros terem trabalho. Isso com a partida já passando dos 10 minutos. O CSA se livrava da bola e ficava esperando no próprio campo. Quando o time azulino tentou, aos 11 minutos, Iury Castilho fez o passe para Bruno Mota, que chegou na bola, mas Reginaldo cortou por baixo e afastou o perigo.

Aos 13 minutos, foi a tentativa do CRB: Careca recebeu o cruzamento no meio da área, tentou de bicicleta, mas furou feio. Até esse momento de bola rolando, a partida era muito faltosa e, aos 15 minutos, o Galo teve uma cobrança de falta em seu favor. Diego Torres cobrou, mas mandou mal e Iury Castilho fez o corte. Enfim, aos 20 minutos, houve uma chance perigosa para o CRB, quando Careca passou por Ernandes e arrematou no gol, mas a bola passou pela direita e saiu pela linha de fundo.

O CRB era melhor na partida, teve duas oportunidades, com Careca e com Pablo Dyego, este aos 26 minutos, quando perdeu um gol feito. No lance em contra-ataque, Jajá avançou bem, tocou na direita para Pablo Dyego, que mandou uma pancada e a bola passou raspando a trave direita de Thiago Rodrigues. Aos 29 minutos, de novo o Galo tentou. Careca mandou com perigo, no ângulo esquerdo, mas o goleiro azulino espalmou, mandando para escanteio e salvando o Azulão.

O duelo passava dos 35 minutos e o CRB seguia melhor, ganhava todas as bolas no meio de campo, enquanto o CSA não havia sequer levado perigo ao Galo, não tinha dado um chute sequer em direção ao gol. Com isso o goleiro Diogo Silva apenas assistia à partida. Aos 38 minutos, quem tentou foi o Regatas. Guilherme Romão, um dos mais importantes do Galo, nesse primeiro tempo, fez boa jogada e finalizou, mas a bola foi fraca em direção ao goleiro Thiago Rodrigues, que tirou com tranquilidade.

A partida chegava aos 45 minutos e não saiu do 0 a 0. Se tivesse de sair o gol, seria do CRB, que exigiu duas boas defesas de Thiago Rodrigues. Assim, o Galo rodou mais o campo de defesa azulino, conseguiu boas triangulações e cruzamentos com Pablo Dyego, Reginaldo e Romão. O árbitro determinou apenas um minuto de acréscimo e, aos 46’, ele encerrou o final da primeira etapa no Rei Pelé.

2º Tempo

CRB e CSA fizeram um jogo feio e truncado - Foto: Ailton Cruz

Na etapa final, o panorama do jogo não mudou em relação ao primeiro tempo. Aos 4 minutos, o CRB quem arriscou. Diego Torres pegou a sobra da bola, após rápida cobrança de falta, mas finalizou em cima do goleiro azulino, que defendeu sem problemas. Aos 6 minutos, de novo o Galo chegou. Após vacilo da defesa azulina, Reginaldo cruzou rasteiro para Careca. Ele tentou de letra, quis fazer bonito, mas Lucão travou a jogada e Thiago Rodrigues salvou.

A partida chegava aos 15 minutos e só dava CRB, que ficava rondando a área do Azulão. Este trocava passes, mas não atacava e, quando chegava, Iury Castilho tentava resolver sozinho, mas perdia a pelota. Assim, o jogo seguia fraco, sem emoção alguma, era muito truncado no meio.

Aos 18 minutos, em tentativa azulina, Iury Castilho mandou a bola na área do CRB, tentando encontrar Gabriel, mas Claudinei chegou e interceptou. Chegando aos 24 minutos, quase não houve trabalho para os dois goleiros, apesar de que Diogo Silva, do CRB, era o mais tranquilo em campo, pois o Azulão não arriscava. Aos 25 minutos, Diego Torres mandou a pelota na segunda trave, o goleiro do CSA afastou e, na sobra, Claudinei emendou direto para o gol, mas mandou para fora.

O CRB seguia melhor em campo, ia para cima, mas não conseguia finalizar em gol. Isso com a partida chegando aos 30 minutos. Neste tempo, veio uma jogada de perigo do Galo: Romão cruzou, a bola desviou no meio do caminho e Thiago Rodrigues tirou, quase de dentro do gol azulino. A essa altura os dois treinadores já haviam promovido mudanças em suas respectivas equipes.

Aos 37 minutos, o CSA arriscou de longe, com Giva Santos, que tinha entrado nessa etapa, mas a pelota vai à esquerda do gol do CRB, sem perigo. O duelo chegava aos 40 minutos e seguia da forma que começou: fraco, parecia que a duas equipes estavam satisfeitas com o zero a zero. Aos 42, o time regatiano tentou com Alisson Farias, mas Matheus Felipe tirou, mandando para escanteio. Na cobrança de Diego Torres, Marthã mandou com perigo e Thiago Rodrigues fez grande defesa.

Aos 44 minutos, após Romão avançar, foi parado com falta perigosa. Na cobrança, Wesley mandou, mas a zaga azulina tirou fácil. O árbitro determinou 4 minutos de acréscimos. Aos 47 minutos, o Azulão ainda teve um escanteio em seu favor. Renato Cajá cobrou, mas sem sucesso. A partida chegou aos 49 minutos, quando foi encerrada com o placar zerado.

Romão e Yuri em cena, durante o clássico sem gols no Rei Pelé - Foto: Ailton Cruz

CRB - Diogo Silva, Reginaldo, Caetano, Gum e Guilherme Romão; Claudinei (Marthã), Jean Patrick (Wesley) e Diego Torres; Jajá (Alisson Farias), Pablo Dyego e Nicolas Careca (Junior Brandão). Técnico: Allan Aal.

CSA - Thiago Rodrigues; Cristovam, Lucão, Matheus Felipe e Ernandes; Geovane (Giva Santos), Yuri (Tonini) e Gabriel; Iury Castilho, Marco Túlio (Didira) e Bruno Mota (Renato Cajá). Técnico: Mozart Santos.

Árbitro - Anderson Daronco (Fifa-RS).

Assistentes - Rafael da Silva Alves (Fifa-RS) e Michael Stanislau (CBF-RS).

Quarto árbitro - José Ricardo Laranjeira (CBF).

VAR - Daniel Nobre Bins (CBF-RS).

Auxiliar do VAR - Anderson da Silveira Farias (CBF-RS).