Do título alagoano ao quase acesso: temporada do CSA é de festa para os azulinos

Depois de passar por três treinadores ao longo de 2021, Azulão termina temporada do jeito que começou

Todo final de ano é aquele momento especial para os torcedores relembrarem de toda a temporada. No CSA não poderia ser diferente, ainda mais levando em consideração a grande temporada que acabou sendo para o time azulino. Apesar dos momentos de crise, como na troca de técnicos, o clube se estabilizou e comemorou o título em 2021.

O ano começou com um sentimento de frustração, quando o clube ficou na 5ª posição da Série B 2020 (que terminou em janeiro de 2021). Sob comando de Mozart, o Azulão ficou apenas três pontos atrás do primeiro time promovido para a Série A deste ano.

Apesar disso, o time não desanimou e entrou extremamente focado no Campeonato Alagoano de 2021. Para a temporada, o clube trouxe jogadores que acabaram se tornando providenciais ao longo do ano, como Dellatorre, Marco Túlio e Bruno Mota. Estes não atuaram na Copa Alagoas 2021, onde o CSA usou um time de jovens, eliminado na fase de grupos.

Porém, na Copa do Nordeste e Campeonato Alagoano, enfim, os reforços mostraram suas caras. No torneio Regional, o clube passou a primeira fase com 11 pontos e apenas uma derrota em oito partidas. A campanha empolgou a torcida, especialmente por ter Dellatorre comandando o ataque. No fim, o Azulão foi eliminado nas quartas para o Fortaleza, entretanto, o camisa 9 azulino conseguiu ser o vice-artilheiro, com seis gols marcados.

Dellatorre teve papel providencial no início e no final da temporada azulina - Foto: Augusto Oliveira/CSA

No Alagoano, o final da história foi mais feliz, mesmo com as reviravoltas ao longo do caminho. Após Mozart conduzir o time até a 6ª rodada do torneio, o treinador saiu rumo à Chapecoense. Pego de surpresa, o Azulão apostou no jovem Bruno Pivetti para assumir o cargo e a química, em um primeiro momento, funcionou.

Pivetti comandou a equipe durante a reta final do Estadual, conseguindo eliminar o CSE nas semifinais. Na grande decisão, no dia 22 de maio, o time de Pivetti empatou em 1 a 1 com o rival CRB, mas sagrou-se campeão do Campeonato Alagoano pela 40ª vez em sua história. O gol do título foi feito por Silvinho, nas penalidades máximas.

O título alagoano empolgou muito a torcida, que até conseguiu apagar a dor da eliminação na Copa do Brasil, que aconteceu um mês antes, em pleno Rei Pelé. Ainda na 2ª fase do Nacional, o time marujo recebeu o Clube do Remo, como era jogo único, o empate em 1 a 1 levou o confronto para os pênaltis. Porém, após Vitor Costa isolar uma cobrança, o CSA foi eliminado precocemente.

Eliminação para o Remo na Copa do Brasil marcou pior momento do CSA - Foto: Ailton Cruz

Sem Copa do Nordeste e Copa do Brasil, o foco para o resto de 2021 foi a Série B e a briga pelo acesso. Entretanto, o começo assustou a torcida azulina, que viu o time de Bruno Pivetti sofrer durante as nove primeiras rodadas. Foram oito jogos, duas vitórias, dois empates e quatro derrotas. A demissão veio após uma derrota no Clássico das Multidões.

Seu substituto foi o experiente Ney Franco, que, aos poucos, foi arrumando a equipe, inclusive, conseguindo números melhores. Com bom futebol, ainda conquistou uma goleada sobre o até então líder Coritiba, que empolgou os torcedores. Porém, duas derrotas seguidas na virada do turno causaram a queda do técnico no dia 28 de agosto, surpreendendo boa parte da torcida e imprensa.

Ney Franco foi demitido do CSA, após poucas partidas - Foto: Ailton Cruz

Mesmo com olhares de pessimismo, logo a desconfiança foi esquecida quando no dia 30 de agosto o clube alagoano anunciou o retorno de Mozart Santos, apenas quatro meses após a saída. Com Mozart, o time cresceu de produção exponencialmente, entrando de vez na briga pelo acesso na Série B.

O melhor momento aconteceu entre 18 de setembro e 10 de outubro, quando o professor engatou cinco vitórias em seis partidas, o que deixou a torcida empolgada de vez. A campanha por pouco não decretou o retorno do CSA para a Série A, faltando poucos minutos para isso. Na rodada final da Segundona, o Azulão fez sua parte vencendo o Brasil por 4 a 0, mas a vitória do Avaí tirou a equipe do G4.

Sem acesso, mas com o título estadual, deixou a torcida azulina empolgada para a próxima temporada, especialmente por conta da permanência de Mozart. Em 2022, o clube terá cinco competições pela frente, na tentativa de superar 2021.

No dia 28 de novembro, Azulão encerrou a temporada com goleada - Foto: Ailton Cruz