De virada, CSA perde para o Guarani e se complica na briga para fugir do Z4 da Série B: 2x1

Azulão começou à frente no marcador, com gol de Osvaldo, mas levou a virada, com tentos de Isaque e Yuri, e segue em 17º na tabela

O CSA entrou em campo, contra o Guarani, na noite desta sexta-feira (30), em um jogo considerado de vida ou morte, pela 32ª rodada da Série B. E quem levou a melhor foi o Bugre, que mesmo começando perdendo, conseguiu a virada, por 2 a 1, e saiu de campo com os três pontos. A partida foi realizada no Estádio Rei Pelé, em Maceió.

Castigo para o Azulão que, mais uma vez, decepcionou a sua torcida - esta que foi em grande número ao estádio - e, além disso, por ironia do destino, o Bugre é comandado pelo técnico Mozart, que já comandou o time azulino. Veja como foi o Tempo Real!

O gol do CSA foi de Osvaldo, na etapa inicial; já o Bugre marcou com Isaque, também no primeiro tempo, e com Yuri, este no comecinho da segunda etapa. E, com este resultado, o Azulão segue na 17ª colocação na tabela, com os mesmos 35 pontos. E o Bugre agora é o 13º lugar, com 38 pontos.

Na rodada que vem, a 33ª, o time azulino terá uma verdadeira pedreira: enfrentará o Grêmio, na terça-feira (4 de outubro), às 19 horas, na Arena do Grêmio. E o Bugre, por sua vez, jogará um dia antes segunda-feira (3), no Brinco de Ouro, onde receberá o Londrina, em duelo às 20 horas.

Comemoração do gol de Osvaldo, do CSA - Foto: Ailton Cruz

1º Tempo

Quem começou chegando foi o Guarani, que teve uma falta em seu favor, logo no primeiro minuto. Mas, na cobrança de Diogo Mateus, ele mandou na área do CSA e Yann Rolim cortou. Aos 3 minutos, foi a vez do CSA, que também exercia pressão. Elton abriu para Osvaldo e ele invadiu a área, puxou para a linha de fundo e ficou com o escanteio.

A partida mal começou e o Bugre teve logo uma mudança, aos 6 minutos, com a saída de Leandro Vilela e a entrada de Richard Rios. Chegando aos 10 minutos, o que se via era que o Azulão estava todo ofensivo, jogando lá na frente e, quando voltava, marcava todo mundo. Tinha muita posse de bola. Já o Guarani, tocava a pelota e tentava esfriar o ímpeto azulino.

Aos 12 minutos, o Azulão assustou. Após chute forte de Elton, a bola foi no meio do gol, por cima da trave do goleiro Kozlinski. O CSA estava melhor em campo e já merecia até o gol. E ele veio. Aos 16 minutos, Osvaldo recebeu uma bola aérea, que foi desviada, após cruzamento de Diego Renan, esperou a bola cair, matou muito bem e mandou de voleio para o fundo do gol: 1 a 0 Azulão.

Depois que fez o gol, o time azulino diminuiu o ímpeto inicial e passou a ficar nervoso. Aí o Bugre se aproveitou. Aos 23 minutos, assustou. Jamerson bateu o escanteio com uma curva, Marcelo Carné errou feio, não conseguiu afastar e Yuri Tanque quase fez o gol de empate.

O Guarani seguia levando perigo. E o castigo azulino não demorou. Ele veio aos 26 minutos, com o gol bugrino. Isaque recebeu a bola livre de marcação, limpou Lucão, que ficou a ver navios, e tocou a pelota na saída de Marcelo Carné, igualando o placar: 1 a 1.

Nervoso já estava e, depois que levou o gol de empate, o time azulino piorou. Aos 28 minutos, quase levou um gol contra. Giovanni Augusto cruzou com perigo e Guilherme Paraíba se esticou todo para cortar, quase mandando a bola para o próprio patrimônio. Mas Carné deu um tapa nela e mandou para escanteio, para alívio dos azulinos.

A partida se encaminhava para os 35 minutos e, após os dois gols, um para cada lado, as equipes estudavam as melhores opções. Osvaldo, do CSA, era o melhor em campo pelo Azulão. Ele chegava, puxava a bola para o contra-ataque e fazia as melhores jogadas. Aos 37 minutos, o time, inclusive, chegou com perigo. Guilherme Paraíba deu uma cabeçada forte na bola, no ângulo superior, e o goleiro do Bugre se esticou todo, dando um tapinha nela e mandando para escanteio. Quase era o segundo gol do Azulão.

O jogo se encaminhava para os 40 minutos. O árbitro determinou 4 minutos de acréscimos e, aos 45min, o time azulino quase fez um gol contra - de novo e mais uma vez com Guilherme Paraíba. Bruno José cruzou à meia altura, Paraíba tentou dominar com a barriga e quase mandou dentro da própria rede. Não o fez porque Carné se esticou todo e evitou. E, assim, aos 49min, o primeiro tempo foi encerrado em seguida.

Momento de comemoração do gol do Bugre - Foto: Ailton Cruz

2º Tempo

A segunda etapa começou logo com outro castigo para o CSA: o segundo gol, o gol da virada do Guarani, numa bobeira na marcação azulina. Aos 2 minutos, em jogada pela esquerda, Jamerson cruzou para dentro da área e Yuri cabeceou forte para dentro do gol, sem chance para Marcelo Carné: 2 a 1 para o Bugre.

Aos 6min, Osvaldo - que não voltou para a segunda etapa com o mesmo futebol da primeira - acelerou, entrou na área e perdeu o ângulo da batida, voltou e tentou cruzar para trás, encontrou Lucas Barcelos, que tocou, mas para ninguém, e Yuri, do Bugre, aproveitou a sobra para o contra-ataque.

Chegando aos 10 minutos, Richard Rios, do Guarani, tentou ganhar no mano a mano, acelerou pela ponta direita, mas, na hora de cruzar, mandou a bola pela linha de fundo e Carné ficou com o tiro de meta. A essa altura, o CSA estava morto em campo. E o técnico Roberto Fernandes resolveu promover logo duas mudanças, com as entradas de Lourenço e John Mercado, nos lugares de Yann Rolim e Osvaldo, respectivamente.

Aos 19min, o CSA teve um escanteio em seu favor, cobrado por Lourenço. Ele bateu na primeira trave e resultou em outro córner para o time azulino, que foi cobrado pelo próprio Lourenço, mas Kozlinski afastou, tirando de soco. O CSA estava todo no ataque, enquanto o Bugre se postava na defesa.

Aos 22min, quase veio o gol de empate azulino. Lourenço, de novo ele, cobrou o escanteio com perigo, Kozlinski tentou dar um tapa na bola e ela beliscou a trave, levando a torcida azulina à loucura - de raiva - no Rei Pelé. O goleiro do Guarani era o mais acionado nesse momento da partida e fez outra defesa dificílima, após chute de Elton, para evitar o gol de empate azulino, aos 24 minutos.

Aos 27 minutos, de novo o CSA arriscou. Barcelos recebeu na intermediaria, rolou e bateu no lado direito, com força, mas a bola, caprichosamente, passou perto da trave direita do goleiro e saiu em tiro de meta. O Azulão tentava, mas não acertava o pé. Aos 33 minutos, por exemplo, em tentativa azulina, Lucas Barcelos recebeu no bico da grande área, chutou colocado, mas o goleiro mandou para escanteio.

O jogo chegava aos 40 minutos e o Azulão não engrenava. Em uma tentativa, Elton tentou bater direto para o gol, mas o goleiro bugrino agarrou a redonda, sem deixar sobra alguma. Nesse momento, o técnico Roberto Fernandes já havia feito todas as substituições permitidas no time azulino. Mas, sem resultado.

O árbitro decretou 6 minutos de acréscimos. Cada vez mais, o CSA entrava em desespero, tentava, tentava o gol de empate, pelo menos, mas tudo dava errado, as finalizações não funcionavam e a bola não entrava. E, aos 51 minutos, o jogo foi encerrado, com a vitória, de virada do Bugre: 2 a 1. Revoltada, a torcida azulina cantava para os jogadores do CSA: "Vergonha, time sem-vergonha!".

30-09-2022 CSA X Guarani (AC)_0694.jpg - Foto: Ailton Cruz

Ficha Técnica

CSA - Marcelo Carné; Lucas Marques (Edson), Lucão, Guilherme Paraíba e Diego Renan (Rogério); Geovane, Gabriel e Yann Rolim (Lourenço); Osvaldo (John Mercado), Lucas Barcelos (Rodrigo Rodrigues) e Élton. Técnico: Roberto Fernandes.

Guarani - Kozlinski; Diogo Mateus, João Victor, Derlan e Jamerson; Leandro Vilela (Richard Rios), Rodrigo Andrade (Índio) e Giovanni Augusto (Yago); Isaque (Madison), Bruno José (Edson) e Yuri. Técnico: Mozart Santos.

Árbitro - Jean Pierre Gonçalves Lima (CBF/RS).

Assistentes - Lúcio Beiersdorf Flor (CBF/RS) e Luiza Naujorks Reis (CBF/RS).

Quarto árbitro - José Jaini Oliveira Bispo (CBF/AL).

Árbitro de vídeo - Daniel Nobre Bins (VAR-FIFA).

Assistente de VAR - Marco Aurélio Augusto Fazekas Ferreira (CBF/MG).