CSA goleia o Cruzeiro de Arapiraca e conquista a vaga na Copa do Brasil de 2023: 3x0

Azulão consegue três gols no primeiro tempo e se junta à dupla ASA e CRB, representando Alagoas no torneio nacional

Muito trabalho, muito sufoco, mas o CSA está garantido na Copa do Brasil de 2023! Na noite desta segunda-feira (2), o Azulão recebeu o Cruzeiro de Arapiraca, no Estádio Rei Pelé, no jogo de volta da Seletiva. Apesar de um início difícil, o time marujo fez valer o elenco e conseguiu uma goleada por 3 a 0 para conquistar sua vaga.

O CSA já havia vencido a ida por 2 a 1, em Arapiraca, com isso, somou uma vitória por 5 a 1 no agregado. O time azulino junta-se a ASA e CRB, como representantes de Alagoas na Copa do Brasil de 2023. Para o Cruzeiro, chegou o final de uma temporada histórica.

1º Tempo

O Cruzeiro não foi nada tímido nos primeiros segundos. Logo subiu sua marcação e deu uma sufocada no CSA, no campo de ataque. Porém, quem pisou na área foi o Azulão. Após bom cruzamento, Lucas Barcelos teve a chance de finalizar, aos 4min, porém, acabou escorregando no gramado encharcado e foi travado pela defesa.

Jogo começou muito equilibrado, com chance de ambos os lados - Foto: Ailton Cruz

Pouco depois, foi a vez de o Azulão do Agreste assustar, inclusive, deu trabalho para Jeam. Aos seis minutos, Max avançou pela esquerda e mandou uma bomba de longe, parada pela defesa de Jeam. Etinho foi o próximo a tentar, segundos depois, em chute colocado. Porém, novamente Jeam interviu com qualidade.

O goleiro azulino foi quem mais sujou o uniforme nos primeiros minutos. O Cruzeiro, aproveitando a chuva, começou a arriscar de fora. Aos 8', Danilo Peppa fez isso, Jeam soltou, mas defendeu em dois tempos, impedindo que Etinho empurrasse para o gol. A resposta veio com qualidade. Aos 12 minutos, Didira conseguiu lançar Rodrigo Rodrigues pelo lado direito. O centroavante invadiu a área e mandou um chute de primeira. Diogo segurou e salvou o Urso.

O CSA melhorou amplamente o seu jogo, enquanto o Cruzeiro precisou ser mais cauteloso lá atrás. A medida não deu certo. O Azulão conseguiu achar um belo espaço pelo lado direito. Didira se infiltrou no meio da zaga improvisada e, de primeira, deu um toque certeiro no gol, completamente indefensável para Diogo.

Didira foi um dos melhores em campo no primeiro tempo - Foto: Ailton Cruz

Já em desespero, o Estrelado teve que se atirar no ataque. Danilo Peppa roubou fácil a bola de Marco Túlio, aos 23 minutos, e chutou com muito perigo no canto. O problema é que foi muito no canto, explodindo na trave. O lance deu uma esperança, mas logo veio o balde de água fria. Marco Túlio foi lançado aos 26 minutos, venceu a disputa com a zaga e invadiu a área sozinho, para ampliar o placar: 2 a 0.

O segundo gol já mostrava um Cruzeiro frágil em campo. Mas a situação, ainda piorou. Na melhor jogada do primeiro tempo, Didira lançou para Marco Túlio na esquerda, que pedalou, cortou e tocou para Lucas Barcelos chegar de carrinho e estufar as redes pela terceira vez, aos 32 minutos.

O lance praticamente acabou com todas as estruturas cruzeirenses. Os minutos finais do primeiro tempo foram de posse azulina e nenhuma chegada do Cruzeiro. Lucas Marques ainda tentou de falta, mas sem sucesso, finalizando o primeiro tempo com uma contundente vitória por 3 a 0.

Azulão foi completamente dominante na metade final do 1º tempo - Foto: Ailton Cruz

2º Tempo

A etapa final já começou com um susto para os cruzeirenses. Na primeira falha, Lucas Barcelos tomou a bola, com 1min. O atacante invadiu a área sozinho e ficou cara a cara com Diogo. Porém, dessa vez, o arqueiro venceu a disputa com uma defesaça para segurar o placar. Essa foi a grande chance no início segundo tempo, bem mais morno que a etapa inicial.

Sem muito o que fazer, Elenilson Santos gastou quatro modificações de uma só vez. Aos poucos o ritmo foi caindo, sem muita produção ofensiva de ambos os lados. Perdendo, o Cruzeiro apostou em suas melhores jogadas: chutes de meia distância. Aos 23min, Pedrinho teve uma tentativa clara, com chute forte, e Jeam espalmou mais uma vez.

Com a vitória praticamente definida, o ritmo do CSA caiu quase que drasticamente. O Urso tentou se acalmar em campo, trocando passes e acumulando posse de bola. O Azulão pouco forçou para tentar forçar um erro, e ficou muito tempo em seu campo de defesa.

Ritmo caiu de ambos os lados no segundo tempo - Foto: Ailton Cruz

O campo já se encontrava molhado e escorregadio quando os minutos finais iam chegando. Com 33', Etinho tentou finalizar, mas foi travado e só garantiu um escanteio, que não foi bem aproveitado pelos arapiraquenses. Após o lance, o Cruzeiro ficou com muita posse e o CSA apenas observando.

Quando o time marujo roubou a bola e ficou com ela, nada de forçar o ataque, mas, sim, controle para deixar o tempo passar. O segundo tempo foi de, praticamente, um acordo entre cavalheiros, já que pouca coisa aconteceu. A arbitragem mal deu acréscimos, com isso, aos 45 minutos encerrou e decretou a vaga azulina na Copa do Brasil de 2023.

CSA consegue a última vaga de Alagoas na Copa do Brasil - Foto: Ailton Cruz

Ficha técnica

CSA - Jeam; Lucas Marques, Douglas, Marcel e Luiz Henrique; Giva Santos (Ernandes) e Didira (Wallace); Felipe Augusto, Marco Túlio, Lucas Barcelos e Rodrigo Rodrigues. Técnico: Mozart.

Cruzeiro de Arapiraca - Diogo; Pinheirinho (Roger), Bruno Bacco, Arthur e Max (Adson); Danilo Peppa (Lucas), Colina, Kayllan (Lalinho) e Cristiano (Pedrinho); Jonny e Etinho. Técnico: Elenilson Santos

Gols - Didira (CSA - 20'/1T); Marco Túlio (CSA - 27'/1T); Lucas Barcelos (32'/1T)

Cartões amarelos - Elenilson Santos (Cruzeiro); Douglas (CSA)

Árbitro - Denis Ribeiro Serafim (CBF/AL)

Assistentes - Pedro Jorge dos Santos Araújo (CBF/AL) e Rondinelle dos Santos Tavares (CBF/AL)

4º árbitro - Eder Gregori Viana Silva (FAF)