CSA estagna, CRB sobe e ASA cai drasticamente no Ranking da CBF em 2021

Coruripe cresce bastante na última temporada e se consolida como o quarto time alagoano a ocupar o top 100

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou nessa segunda (1) os Rankings Nacionais de Clubes e de Federações de 2021. Em relação aos times, o campeão brasileiro Flamengo lidera, com 16.768 pontos. E quatro clubes de Alagoas figuram no Top 100. São eles: CSA, CRB, ASA e Coruripe.

Apesar da luta até a última rodada da Série B pelo acesso à elite na última temporada, o Azulão segue na mesma colocação em relação a 2020 e continua sendo o melhor alagoano na tabela, na 30ª posição. O clube alviceleste tem 4.852 pontos, acumulando 352 ao final de janeiro.

Logo atrás do time marujo vem o CRB, que figura em 31º lugar, com 4.766 pontos - 293 a mais em relação a 2020. Com a atuação na última época de competições, o Regatas alavancou uma posição e ficou colado ao seu rival no ranking nacional. O Galo somou mais

Sem disputar nenhuma competição nacional no ano passado, o ASA sofreu uma das maiores desvalorizações na lista, caindo 20 posições em relação à ultima temporada. Em 2020, o Alvinegro ocupava o 58ª lugar, mas hoje, somando 947 pontos, é o 78º colocado.

Por outro lado, o Coruripe subiu 13 posições ao final do ano e foi o clube alagoano que mais cresceu na tabela. Na última época de competições, o Hulk ocupava o posto de número 109 na tabela. Após a boa campanha na última Série D, o Verdão Praiano acumulou 661 pontos no total e assegurou o 96º lugar.

Murici e Jaciobá são os demais times alagoanos que figuram entre os 170 clubes de melhor qualificação no ranking divulgado pela CBF. O Verdão da Mata, com 406 pontos aparece na 123ª posição, já o Jaciobá, que participou da quarta divisão do campeonato nacional no ano passado, é o 155º colocado, somando 155 pontos.

Quanto às federações, a Federação Alagoana de Futebol (FAF) está em 11º lugar, com 12.040 pontos. A Federação de São Paulo é a líder, com 84.516 pontos. Vale lembrar que a posição das federações é importante porque aumenta o número de vagas na Copa do Brasil e no Brasileiro da Série D.