Com gol polêmico nos acréscimos, CSA vence a Ponte de virada e se aproxima do G-4: 2 a 1

Agora com quatro vitórias seguidas, Azulão vê pontuação para o grupo de acesso diminuir

A caça do CSA pelo G-4 da Série B segue firme e forte. Na noite desta quarta-feira (29), o time azulino recebeu a Ponte Preta no Estádio Rei Pelé, pela 27ª rodada da competição. Vindo de um momento especial no campeonato, o clube alagoano atingiu sua melhor sequência e chegou a quarta vitória seguida ao bater a Macaca por 2 a 1. Os gols foram feitos por Iury Castilho e Gabriel, do lado do Azulão, enquanto Rafael Santos fez para os paulistas.

Com o resultado, o Azulão voltou para a 7ª posição, agora com 41 pontos, cinco pontos atrás do quarto colocado. A Macaca, por sua vez, fica no 14º lugar, com 32 pontos conquistados. O time paulista põe uma vantagem de cinco pontos em relação ao Z-4. Clique aqui para ver como foi a partida no Tempo Real da Gazetaweb.

Partida aconteceu pela 27ª rodada da Série B - Foto: Ailton Cruz

Na próxima rodada os dois times jogarão no mesmo dia, sábado (2). A Ponte Preta volta ao lar para um confronto direto, enfrentando o Vila Nova, no Estádio Moisés Lucarelli, às 21 horas. Um pouco mais cedo, às 18h30, o CSA encara o seu maior rival no Estádio Rei Pelé. O Clássico das Multidões do final de semana, terá o CRB como mandante.

1º Tempo

O jogo começou com as equipes empolgadas, subindo muito pelas pontas. A primeira boa chegada foi da Ponte Preta, pelo lado direito. Richard recebeu livre de marcação, com apenas dois minutos, cruzou para Fessin, que subiu bem, mas mandou pra fora. Os espaços seguiram aparecendo, porém, nenhum chute foi na direção dos goleiros, pelo menos nos primeiros 13 minutos.

Aos 14, o Azulão até fez o goleiro Ivan trabalhar, com desvio de cabeça de Matheus Felipe, mas sem muita dificuldade. O jogo que parecia morno, mudou de uma hora pra outra. Após um chute despretensioso de Rafael Silva, de muito longe, o lateral da Macaca acabou acertando o fundo do barbante e marcou um gol de placa no Rei Pelé, abrindo 1 a 0 aos 15 minutos. A primeira reação dos atletas azulinos foi de choque, tanto que não conseguiram responder à altura.

Rafael Santos fez um gol de placa no Estádio Rei Pelé - Foto: Ailton Cruz

Pelo contrário, quem teve a chance mais perigosa após o gol foi a própria Ponte Preta. Em uma tentativa frustrada de ataque azulino, Fessin roubou a bola aos 23 minutos, arrancou até o campo de ataque e tocou para o solitário Moisés finalizar, apesar da boa jogada, o atacante finalizou fraco. Aos 29, enfim a chance boa do Azulão. Gabriel tocou para Marco Túlio, que dentro da área finalizou forte e dificultou a defesa de Ivan, que salvou a Macaca.

O lance fez o CSA crescer dentro da partida. Com o Alvinegro mais recuado, o time azulino apertou, até Marco Túlio mandar um petardo de muito longe. Ivan fez uma defesaça, mas o rebote caiu logo nos pés do iluminado Iury Castilho, que cortou a defesa e chutou no canto esquerdo do goleiro, empatando jogo aos 35 minutos. Sendo este o segundo gol do atacante em dois jogos.

Os chutes de longe parece que agradaram os jogadores do CSA. Dellatorre tentou aos 38, mas a bola foi por cima do travessão. Gabriel, cobrando falta aos 41, também tentou direto, contudo, mandou muito longe. A resposta da Ponte se aproximou de balançar as redes. Moisés aproveitou uma abertura na defesa e finalizou da meia lua, a bola explodiu na trave do CSA, salvando a equipe de tomar o segundo aos 44 minutos. A partida seguiu disputada, mas o primeiro tempo acabou com o 1 a 1.

2º Tempo

O segundo tempo começou diferente, debaixo de muita chuva e com gol azulino. Iury Castilho conseguiu marcar seu segundo com apenas 48 segundos, porém, após dois minutos de análise no VAR, o gol foi anulado por um toque no braço do artilheiro azulino. A pressão seguiu, Marco Túlio tentou aos 8, porém, finalizou muito mal. Iury, com 13, arriscou de muito longe, mas também não assustou o goleiro Ivan.

Segundo tempo foi de pressão do CSA - Foto: Ailton Cruz

Com 17 minutos, finalmente a Ponte Preta conseguiu ameaçar o CSA. João Veras recebeu um passe açucarado de Richard, dentro da grande área. O atacante se ajustou para finalizar, mas acabou tirando tanto de Thiago Rodrigues que a bola foi pra fora. Incomodado, Mozart fez mudanças ofensivas, abrindo mão de Geovane e acionando Renato Cajá para ter um papel no meio-campo.

A mudança demorou para surtir grandes efeitos. Gilson Kleina postou a Ponte mais defensivamente, obrigando o time marujo a usar jogadas aéreas, onde os zagueiros alvinegros levavam a vantagem. O destaque da metade final do segundo tempo ficou com os treinadores, que acabaram discutindo no banco de reservas. Mozart reclamou muito da arbitragem de Paulo Henrique Schleich.

Um lance perigoso só veio acontecer quando o atacante Moisés arriscou uma bomba de longe. O camisa 21, aos 41 minutos, chutou de perna direita e a bola passou beliscando a trave de Thiago.

A partida se encaminhava para um empate modesto, mas um lance polêmico abalou as estruturas aos 47 minutos. Após cruzamento na área, a bola acabou pegando no braço de Claylton, o árbitro deixou seguir, mas após chamada do VAR, marcou penalidade máxima. Gabriel, capitão da equipe, teve a responsabilidade na cobrança e não decepcionou: 2 a 1 para o Azulão. O lance gerou muita polêmica e desespero no lado paulista. O goleiro Ivan foi para o ataque tentar um lance de desespero e isso acabou gerando o terceiro gol do CSA, com 52, mas este foi anulado pelo VAR, por impedido.

Mesmo com as polêmicas, o Azulão voltou a vencer e chegou a quatro vitórias seguidas na Série B do Brasileirão.

Com gol da vitória, Gabriel caiu nas graças da torcida - Foto: Ailton Cruz

Ficha técnica

CSA - Thiago Rodrigues; Éverton Silva, Matheus Felipe, Lucão e Ernandes; Geovane (Renato Cajá), Yuri e Gabriel; Marco Túlio (Didira), Iury Castilho (Reinaldo) e Dellatorre (Bruno Mota). Técnico: Mozart

Ponte Preta - Ivan; Felipe Albuquerque, Cleylton, Fábio Sanches e Rafael Santos; André Luiz (Léo Naldi), Marcos Júnior (Lucas Cândido) e Fessin (Yago Henrique); Richard (Josiel), Moisés e João Veras (Niltinho). Técnico: Gilson Kleina

Cartões amarelos - Rafael Santos (Ponte Preta); André Luiz (Ponte Preta); Marco Túlio (CSA); Ivan (Ponte Preta); Reinaldo (CSA); Lucão (CSA); Cleylton (Ponte Preta); Gabriel (CSA)

Árbitro - Paulo Henrique Schleich Vollkopf (CBF-MS)

Assistentes - Eduardo Gonçalves da Cruz (CBF-MS) e Ruy Cesar Lavarda Ferreira (CBF-MS)

Árbitro de vídeo - Rodrigo Carvalhaes de Miranda (CBF-RJ)

Assistente de vídeo - Silbert Faria Sisquim (CBF-RJ)