Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > esportes > ALAGOANO

Cão de guarda do CRB, Claudinei lamenta futebol sem torcida: ''A gente torce muito para que as coisas melhorem'

Destaque do Galo, volante comentou sobre as partidas com portões fechados em meio à pandemia do novo coronavírus e projetou duelo decisivo do fim de semana contra o arquirrival CSA

Um dos principais nomes do CRB nos últimos anos, o cão de guarda Claudinei pediu intensidade máxima da equipe durante essa semana decisiva de preparação. Segundo o volante, o objetivo do grupo é conquistar o bicampeonato alagoano.

“Acredito muito na nossa equipe e no crescimento que tivemos nas últimas partidas deste ano. Estamos em um ritmo forte e isso é importante em um momento decisivo da temporada em que estamos. Vamos manter essa intensidade agora para conquistarmos esse título alagoano, que será muito importante para o grupo", disse o atleta.

Leia também

O jogador ainda afirmou esperar um jogo complicado e destacou que clássicos são sempre decididos nos detalhes e que se deve ter intensidade até o final.

"Clássico é sempre decidido nos detalhes. Quem tiver mais eficiência sairá com o título. Temos que manter o mesmo equilíbrio dos últimos jogos para vencermos o CSA, que tem uma grande equipe. O elenco está muito motivado para essa final", frisou o volante Regatiano.

Duelo

Sábado (22), o CRB enfrenta o CSA, às 16h45, no Estádio Rei Pelé, pelo confronto da volta da final do Campeonato Alagoano. Quem vencer no tempo normal garante o título e fica com a vaga direta para a fase de grupos da Copa do Nordeste em 2022.

Para ressaltar a saudade da torcida, o jogador do time alvirrubro deu um pequeno depoimento sobre como se sentem jogando sem o apoio do torcedor nas arquibancadas.

"Uma final como essa sem torcedor tem sido diferente, assim como todas as partidas desde o início da pandemia. A gente torce muito para que as coisas melhorem para que a vida das pessoas volte ao normal e para que a torcida volte ao estádio", completou.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas