Atravessando crise financeira, diretoria do ASA discute novo projeto de captação de recursos

Presidente Moisés Machado e seus vices debatem planos para apresentar ao conselho deliberativo do clube

Além do estrago sanitário, a pandemia de Covid-19 também veio como uma bomba nos cofres dos clubes de todo o Brasil. Não foi diferente com o ASA. Com as dificuldades financeiras agravadas provocadas pela checada do vírus, a diretoria alvinegra se reuniu, nessa quarta-feira (6), para debater maneiras para captar recursos.

Na reunião, o presidente Moisés Machado e seu vice, Higor Rafael, debateram ideias com os vices de Marketing, Financeiro e Social, Cláudio Gouveia e Cledison Santos e Adriano Alves, respectivamente, para levar propostas ao conselho deliverativo do Alvinegro. A campanha idealizada na reunião consiste na captação de recursos de forma recorrente para arrecadar as despesas básicas do clube.

“É notório a necessidade de recursos urgentes em um clube onde as dívidas são inúmeras, mas precisamos de um projeto com fonte de receita sólida recorrente para que a própria manutenção diária seja sanada”, reconheceu o vice-presidente de Marketing, Cláudio Gouveia, ao site do ASA.

Com os recursos financeiros ainda bloqueados judicialmente, a diretoria do Fantasma continua buscando meios para quitar todas as pendências. Atualmente, o clube vem sobrevivendo com a ajuda de empresários, diretores e torcida.

Ao falar do que foi conversado na reunião, o presidente Moisés Machado explicou que as medidas ainda não estão totalmente completas, mas que a ideia está consolidada na direção e que agora falta apenas o aval dos conselheiros para colocar o projeto em prática. O chefe do executivo do Fantasma também destacou o empenho da gestão para aliviar a situação difícil.

“Tudo o que conversamos hoje é embrionário, no entanto, já é algo consolidado entre todos da diretoria. Resta agora apresentar todo esse projeto aos conselheiros do ASA para que seja aprovado e, consequentemente, colocado em prática. Hoje vivemos uma situação complicada, pois nossos recursos estão bloqueados na justiça. Tem sido lutas diárias, mas iremos conseguir dar um fôlego ao nosso alvinegro”, declarou Moisés Machado.

Ingressos

Antes de se reunir exclusivamente para debater projetos de captação de recursos, a diretoria do Gigante já havia buscado outro meio para amenizar a situação difícil: a venda de ingressos virtuais. Os bilhetes com preços simbólicos foram comercializados em partidas contra CEO, Coruripe e Murici, arrecadando pouco mais de R$ 5,5 mil.

Além de aliviar o financeiro, a campanha também serviu para trazer o torcedor do fantasma para perto do clube. Os alvinegros não ocupam as arquibancadas do Coaracy da Mata Fonseca há um ano, o que se transforma num desfalque para os craques da esportiva ao atuar sob os seus domínios.

*com informações da assessoria de imprensa.