Atacantes passam em branco no Clássico das Multidões e não marcam há quatro jogos

Último avançado a balançar as redes no confronto foi Luidy, na vitória do CRB, por 2 a 0, em partida válida pela Série B de 2020

O Clássico das Multidões vem sendo um desafio a ser batido para os atacantes de CSA e CRB. Nos últimos quatro confrontos entre os finalistas do Campeonato Alagoano, os jogadores da linha de frente passaram em branco e não balançaram as redes. O último a marcar foi Luidy, que ajudou o Galo a sair vitorioso, por 2 a 0, no duelo da 6ª rodada da Série B da última temporada, em outubro de 2020.

Desde então, as defesas foram soberanas e venceram o duelo até nos gols marcados: dois dos três tentos anotados no período foram de defensores. Os dois tentos foram assinalados no empate de 1 a 1, na 3ª rodada da Copa do Nordeste deste ano. Naquela ocasião, o lateral Norberto marcou para o Azulão e o zagueiro Diego Ivo balançou as redes para o Regatas.

Cadê os camisas 9?

A situação fica mais crítica ao analisar a atuação dos centroavantes. Os jogadores mais cobrados por balançar as redes não marcam no clássico há três anos, período onde ocorreram 15 embates. Neto Baiano foi o último a deixar a sua marca no duelo, ao anotar o gol da vitória do CRB, por 1 a 0, no segundo jogo da final do Estadual de 2018, onde o CSA sagrou-se campeão nos pênaltis após ter vencido na ida, também por 1 a 0.

Nem os artilheiros de mais sucesso nos últimos anos conseguiram chacoalhar o capim no fundo do gol. Paulo Sérgio (CSA) e Léo Gamalho (CRB) chegaram até a figurar entre os maiores artilheiros do País, mas saíram de Alagoas sem deixar suas marcas no Clássico das Multidões.

Neto Baiano foi o último centroavante a balançar as redes no Clássico das Multidões - Foto: Ailton Cruz

Defesa soberana

Esses fatores podem ser utilizados como argumento ao justificar o baixo número de gols no histórico recente do confronto. CSA e CRB não realizam uma partida com mais de dois gols há quatro anos, onde foram disputados 17 jogos. A última vez que isso aconteceu foi em 2017, quando o Galo venceu por 3 a 2 e conquistou o seu 30º título alagoano. O placar de 2 a 0 só aconteceu duas vezes, e uma para cada lado: para o CSA, no segundo jogo da final do Estadual, e, para o CRB, na 6ª rodada da última Série B, partida citada anteriormente.

Outro fator intrigante é a alta igualdade sem gols no período. Dos oito empates, seis acabaram em 0 a 0. Entre 2018 e 2019, Azulão e Galo engataram uma sequência de quatro jogos que chegaram ao fim com este resultado.

Esperança na meia

Para o duelo que decidirá o Alagoano deste ano, as esperanças azulinas e regatianas estão depositadas no meio-campo. No lado marujo, Bruno Mota é quem leva o brilho no olhar para a torcida alvianil. O meia é o artilheiro da competição, com 9 gols. Já os regatianos apostam em Diego Torres, responsável pela armação e quem criou as jogadas mais perigosas da equipe no jogo de ida.

Artilheiro do Alagoano, com 8 gols, Bruno Mota é a esperança azulina na decisão - Foto: Augusto Oliveira/CSA

Após o 0 a 0 que marcou dos primeiros 90 minutos, CSA e CRB decidem o título neste sábado (22), às 16h45, no Rei Pelé. O duelo estava marcado para as 17h, mas teve o horário antecipado pela Federação Alagoana.