Após vitória no tempo normal, ASA vence o CSE, por 6 a 5, nos pênaltis, e fica com a vaga na Copa do Brasil

ASA devolve o 2 a 1 do jogo de ida, e define classificação nas penalidades máximas

Encerrando a temporada de campeonato estadual em Alagoas, um clássico encheu os torcedores de emoção. ASA e CSE se reencontraram pela quarta vez na temporada, e, não só isso, decidiram a última vaga alagoana na Copa do Brasil, nas batidas de pênaltis. Após uma partida pegada, onde o ASA venceu por 2 a 1, na bola parada na marca da cal, o Alvinegro conseguiu uma nova vitória, dessa vez por 6 a 5.

O jogo de volta aconteceu na tarde desta quarta-feira (26), no Estádio Coaracy da Mata Fonseca, em Arapiraca. Durante os 90 minutos, o ASA venceu por 2 a 1, com gols de Daivison e Joaninha. O CSE marcou um golaço com Dakson, mas não evitou que os times fossem para as penalidades.

Nos pênaltis, quem marcou para o ASA foram Johnnatthan, Marcelo, Carlos Magno, Caíque Baiano, Fernandinho e Joaninha. No CSE, balançaram as redes Jackson, Everlan, Cristiano, Alan James e Jan Pieter. Renato e Cleiton perderam do lado do CSE, enquanto Dinda perdeu pelo ASA.

O Alvinegro se junta a CSA e CRB como representantes de Alagoas na Copa do Brasil 2022. Após o clássico, o CSE não tem mais calendário para a temporada de 2021, e aguarda 2022, onde terá Alagoano e Série D. Já o ASA se prepara para a Série D deste ano, quando no próximo dia 6 de junho vai receber o Atlético de Alagoinhas, em sua estreia.

Primeiro tempo

Zagueiro Marcelo é desfalque confirmado no ASA - Foto: Remir Laranjal/Ascom ASA

Precisando da vitória, o ASA foi logo para cima do seu rival. Joaninha teve a primeira chance de grande perigo com apenas um minuto. O lateral pegou um chutaço do lado direito do campo, obrigando Alexandre a espalmar para escanteio. Ainda no começo da partida, o CSE perdeu o seu capitão, Jair Amaral, por conta de uma lesão, com apenas seis minutos da etapa, deixando as coisas mais tensas para o Tricolorido.

Com 15 minutos o CSE teve a faca e queijo na mão para marcar. Cleiton entrou sozinho e sem marcação na área do ASA, mas bateu mal e facilitou para Dida. A partir daí, o clima dentro do Coaracy já estava quente. Porém, aos 25, Renato teve uma nova oportunidade para o Tricolorido, forçando Dida a fazer uma grande defesa.

A chance do time palmeirense parece ter acordado o Gigante. Adailson fez uma jogada sensacional na esquerda, fez o cruzamento curto para o camisa 9 Daivison mandar de cabeça para o gol vazio. Com 27 minutos, o ASA abriu 1 a 0. Rapidamente Dakson respondeu, com uma batida forte da falta, mas Dida segurou as pontas novamente.

Querendo a classificação no tempo normal, o CSE foi para cima do ASA. Alan James trabalhou com Cleiton, mas o volante parou no goleiro Dida, que ainda fez mais uma defesa no chute de Luizinho, aos 33 minutos. Com o 1 a 0 levando aos pênaltis, foi a vez de o Alvinegro sofrer com lesões. Aos 45, Johnnatthan, que já havia feito gol na partida de ida, teve nova chance, mas a bola tirou tinta da trave. O primeiro tempo encerrou-se com a vantagem arapiraquense.

Segundo tempo

No intervalo da partida, o técnico Jaelson Marcelino foi expulso pelo árbitro, porém, parece que o time não sentiu a perda do comandante. Em cobrança de falta do lado da área, Dakson mandou um petardo no gol alvinegro e conseguiu o empate, com 10 minutos do segundo tempo. O placar de 1 a 1 dava a vaga para o CSE.

Com a desvantagem, o Alvinegro parece ter se perdido no confronto. Repleto de nervosismo e sem o artilheiro Daivison, que saiu por lesão, o time não conseguiu construir boas jogadas. O nervosismo foi tão grande, que aos 20' o atacante Adailson tomou o segundo amarelo e foi expulso, complicando ainda mais a vida alvinegra.

Tendo apenas dez jogadores em campo, o Gigante viu o Tricolorido controlar a partida a partir dos 30 minutos. O CSE percebeu que o ASA não conseguia criar nenhuma grande oportunidade, e com a classificação na mão, trabalhou mais com a posse de bola.

Mesmo com todas as coisas contra, o ASA Gigante foi valente e, após ninguém marcar o lateral Joaninha, ele apareceu livre para mandar de cabeça para o gol do CSE, devolvendo o 2 a 1 da partida de ida com 38 minutos da etapa final. Com 41', Dinda ainda tentou de cabeça, mas a bola foi fraca. Os minutos que sucederam o gol foram de tensão para os dois lados, mas ninguém quis arriscar e, com o 2 a 1 no placar, o jogo foi para os pênaltis.

Nas penalidades, o ASA foi o primeiro a cobrar e, com gols de Johnnatthan, Marcelo, Carlos Magno, Caíque Baiano, Fernandinho e Joaninha, balançou a rede seis vezes. O CSE fez com Jackson, Everlan, Cristiano, Alan James e Jan Pieter, porém, Renato mandou na trave e o goleiro Dida defendeu a última cobrança, feita por Cleiton, já na morte súbita, o que garantiu a classificação do Alvinegro para a Copa do Brasil.

Ficha técnica

ASA - Dida; Joaninha, Caíque Baiano, Marcelo e Ítalo (Dinda); Johnnattan, Zé Wilson e Carlos Magno; Adailson, Vinícius (Edson Kappa) e Daivison (Fernandinho). Técnico: Ademir Fonseca.

CSE - Alexandre; Renato, Eduardo Bahia (Caetano), Jan Pieter e Jackson; Jair Amaral (Ailton), Cristiano, Cleiton e Dakson (Everlan); Luizinho (Stuart) e Alan James. Técnico: Jaelson Marcelino.

Cartões amarelos - Dakson (CSE); Joaninha (ASA); Adailson (ASA); Cleiton (CSE).

Cartões vermelhos - Adailson (ASA).

Árbitro - Jonata de Souza Gouveia (CBF).

Assistentes - Ruan Luiz de Barros Silva (CBF) e Ana Paula dos Santos (CBF).

Quarto árbitro - Felype Wanderley Uruba (FAF).