TRE pune Cunha e determina retirada de vídeo com acusações contra Paulo Dantas

Segundo a Justiça Eleitoral, candidato do União Brasil usou vídeo para difundir informações "sabidamente inverídicas" sobre falsa investigação

A pedido da coligação Alagoas Daqui Pra Frente, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Alagoas determinou, na noite desta sexta-feira (23), a retirada da TV do vídeo da propaganda do candidato Rodrigo Cunha (União Brasil) em que divulga a acusação de que o governador e candidato à reeleição, Paulo Dantas (MDB), estaria sendo alvo da Polícia Federal (PF) sobre nomeações de servidores fantasmas na Assembleia Legislativa.

A chapa governista acusa Cunha de divulgar conteúdo falso e conseguiu da Justiça Eleitoral o direito de resposta de um minuto durante as inserções do adversário.

"A veiculação questionada traz afirmação sabidamente inverídica e que ofende a honra do Representante, aparentando ter ultrapassado os limites da mera crítica política", analisou o desembargador eleitoral Maurício Breda.

No vídeo de 30 segundos, veiculado pela campanha de Rodrigo Cunha e amplamente difundido nas redes sociais, o pai de Paulo Dantas, o ex-deputado Luiz Dantas, acusa o filho de aproveitar da sua “chancela” (assinatura ou carimbo) para nomear pessoas das cidades de Batalha e Major Izidoro na folha de pagamento da Assembleia para, supostamente, fazer a “rachadinha”.

O esquema foi descrito pela Polícia Federal como “Laranjal de Batalha”, terra natal da família Dantas.

“Eu tinha uma chancela para chancelar todos os documentos. Algumas pessoas foram para a folha da Assembleia sem o meu conhecimento. Paulo estava envolvido nisso também, porque Paulo fazia parte da estrutura. Ele fez um derrame dessa chancela no município de Batalha e Maior Izidoro. Eu não quero que as pessoas de Alagoas sejam surpreendidas como eu fui, ou traídas como eu fui”, diz o pai do governador no vídeo que ganhou as redes sociais.

À Gazetaweb, Luiz Dantas confirmou as declarações no vídeo, mas esclareceu que não falaria mais sobre o caso.

Em nota, o governador Paulo Dantas declarou que não é investigado. "Não sou e nem fui investigado em relação a esses fatos de 2017. Sou ficha limpa e lamento que questões familiares sejam usados pelo candidato Rodrigo Cunha, num jogo baixo para tentar desgastar minha imagem num momento em que lidero todas as pesquisas eleitorais", afirmou.

Esta foi a segunda punição que Paulo Dantas conseguiu no TRE contra Rodrigo Cunha em setembro. Ainda nesta sexta-feira, o senador perdeu um minuto do tempo do guia eleitoral por divulgar imagens sobre os corredores do Hospital Geral do Estado (HGE).