Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > ECONOMIA

Petrobras vende suas sete unidades em Alagoas por quase R$ 1,5 bilhão

Polo Alagoas, como é conhecido, é composto por sete concessões terrestres e de águas rasas, incluindo as unidades de São Miguel dos Campos e Pilar

O conselho de administração da Petrobras aprovou nesta quarta-feira (30) a venda, por US$ 300 milhões - o equivalente a R$ 1,49 bilhão no câmbio atual - das suas sete unidades em Alagoas. A compradora é a Petromais Global Exploração e Produção S.A. (Petro+), empresa brasileira de integração energética presente em atividades de exploração, produção e comercialização de petróleo e gás natural a partir de campos terrestres e em projetos de geração de energia termoelétrica.

Em comunicado, a petroleira informou que o pagamento será dividido em uma parcela de 60 milhões de dólares, a ser quitada na assinatura do contrato, e outra de 240 milhões de dólares no fechamento da transação, que está sujeito a condições precedentes, como a aprovação da reguladora ANP. "Os valores não consideram os ajustes devidos até o fechamento da transação, que está sujeito ao cumprimento de certas condições precedentes, tais como a aprovação pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)", informou a estatal, por meio de fato relevante.

Leia também

O Polo Alagoas, como é conhecido, é composto por sete concessões terrestres e de águas rasas, incluindo as unidades de São Miguel dos Campos e Pilar -as mais produtivas da companhia no Estado. Juntas, registram produção média de 1,9 mil barris por dia de óleo e 602 mil metros cúbicos diários de gás natural entre janeiro e maio deste maio.

Além dos campos e suas instalações de produção, está incluída na transação a Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) de Alagoas, com capacidade para processar 2 milhões de metros cúbicos por dia, disse a Petrobras.

A companhia informou ainda que a operação aprovada nesta quarta-feira está alinhada à estratégia de otimização do portfólio e melhoria de alocação do capital da companhia, que passa a concentrar cada vez mais os seus recursos em ativos de classe mundial em águas profundas e ultra profundas, "onde a Petrobras tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos". "A celebração do contrato de compra e venda e as etapas subsequentes serão divulgadas ao mercado oportunamente", informou a estatal.

No início de maio, a Petrobras já havia assinado contrato para a venda da totalidade de sua participação de 50% no campo terrestre de Rabo Branco, localizado na Bacia de Sergipe-Alagoas, no estado de Sergipe, com a Petrom Produção de Petróleo & Gás. A operação somou US$ 1,5 milhão e foi integralmente depositado em conta-garantia em benefício da Petrobras.

A assinatura decorreu do exercício do direito de preferência pela Petrom, que já detinha os 50% restantes de participação no campo. Antes, em 11 de dezembro de 2020, a Petrobras assinou com a Energizzi Energias do Brasil Ltda. (Energizzi) contrato de compra e venda da totalidade de sua participação no campo de Rabo Branco, mas a operadora Petrom decidiu exercer seu direito de preferência.

O campo terrestre de Rabo Branco faz parte da concessão, localizada ao sul do campo de Carmópolis, na Bacia de Sergipe-Alagoas, no estado de Sergipe. A produção média do campo, no ano de 2020, foi de 131 barris de petróleo por dia (bpd).

Refinarias

Em fevereiro, a Petrobras concluiu as negociações com a Mubadala Capital para vender a refinaria Landulpho Alves (RLAM), localizada na Bahia. A empresa dos Emirados Árabes Unidos, que atua no Brasil desde 2011, ofereceu US$ 1,65 bilhão (cerca de R$ 8,9 bilhões) pelo parque de refino e seus ativos logísticos. A assinatura do contrato, no entanto, está sujeita à aprovação pelos órgãos fiscalizadores.

A Petrobras ainda espera concluir as vendas das refinarias Alberto Pasqualini (Refap), no Rio Grande do Sul; Isaac Sabbá (Reman), no Amazonas; Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco; Gabriel Passos (Regap), em Minas Gerais; da Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor), no Ceará; e da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas