Colapso no turismo: Cancelamento de reservas em hotéis chega a 50% em Alagoas

Dados apresentados pela ABIH mostram que percentual é o dobro do registrado em março deste ano

Dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) em Alagoas mostram que o percentual de cancelamentos de reservas nos estabelecimentos associados à entidade chegou em 50% para as reservas do mês de abril.

O percentual é o dobro do registrado em março. Conforme o presidente da entidade, André Santos, a ocupação durante o feriadão deve ficar em 20%. Ou seja, de cada 10 leitos, apenas dois estarão com hóspedes.

Segundo o empresário, o resultado negativo é reflexo das medidas de isolamento adotadas pelo governo do Estado, que estabeleceu o fechamento de praias, rios, lagos, shoppings e bares e restaurantes no feriado da sexta-feira (2) e no fim de semana.

André Santos conta que as decisões do governo inibiram a vinda de turistas para o Estado. Ele explica que a remarcação não é uma boa opção para os empresários, pois, segundo o presidente da ABIH, eles precisam de recuperação da arrecadação já agora. Santos lembra que o setor já vem de perdas do primeiro pico da pandemia.

O empresário conta que pequenos empresários estão preferindo fechar as portas durante este período de restrições do que operar com baixa ocupação. Isso porque, segundo ele, a operação não compensa os custos. ]

Cancelamento de reservas em hotéis chega a 50% em Alagoas - Foto: Ailton Cruz

No caso de redes maiores, que possuem mais de uma unidade, os empresários estão transferindo os hóspedes para apenas uma filial da rede. Contudo, estas medidas fazem com que alguns funcionários fiquem ociosos, o que pode gerar demissões.

Sobre o feriado da Semana Santa, o presidente da ABIH conta que deve registrar números iguais aos de um final de semana comum. Santos estima que a recuperação do setor só deve acontecer após um período de três a quatro anos.

Em 2020, em virtude da pandemia, o setor teve um prejuízo calculado em 1,5 bilhão. Os hotéis tiveram que fechar por meses, por causa da paralisação da atividade turística no estado, como o fechamento de bares e restaurantes, suspensão de passeios turísticos, fechamento do comércio, dentre outras coisas. Cada turista, de acordo com estudos no setor, tem um gasto médio entre R$ 300 e R$ 500 por dia.