Em declaração polêmica, Adélia defende Elize Matsunaga: 'Teria feito igual'

Elize Matsunaga é acusada de homicídio triplamente qualificado por matar seu marido, em 2012

A participante do "BBB16" Adélia deu uma declaração polêmica na noite desta terça-feira (9), enquanto conversava sobre infidelidade com dona Geralda e Juliana na área externa da casa. A sister afirmou que seria capaz de decepar o pênis de seu namorado se descobrisse uma traição e defendeu Elize Matsunaga, acusada de homicídio triplamente qualificado por matar seu marido, em 2012.
Incrédula, Juliana tentou impedir a amiga de continuar falando sobre o assunto e apelou para o público que assistia: "Gente, não escutem o que ela está dizendo!". Dona Geralda também tentou mudar o foco da conversa, aconselhando a advogada a pensar de outra forma: "O desprezo é muito melhor".
Porém, Adélia continuou falando sobre traição e chegou, inclusive, a justificar o crime cometido por Elize Matsunaga: "Ela vai ser absolvida porque foi um crime passional. Eu, como mulher, teria feito o mesmo".
Ao ouvir a defesa, Juliana e dona Gege continuaram insistindo para que Adélia mudasse de opinião. "A pessoa vai ser presa, paga fiança e sai. Mas ele vai ficar sem o 'peru' pelo resto da vida", explicou a advogada. 
Conversa polêmica
Ao se aproximarem do trio, os brothers Matheus e Tamiel também participaram da conversa. Adélia explicou o contexto, citando diversos casos policiais de mulheres que deceparam ou mataram seus maridos infiéis e disse que seria capaz de fazer o mesmo. "Eu faria isso numa boa e elas estão achando um absurdo. A coisa mais bonita da vida é a lealdade. Me fez de besta, enquanto eu estiver cuidando dele, enquanto estiver fazendo comidinha para ele... Se ele ficar usando o peru em outro lugar, eu corto, sim, igual a mulher fez. E elas estão achando isso um absurdo!", tentou justificar-se a advogada.
Sem esconder a cara de espanto, Matheus disse que concorda que a fidelidade é muito importante em qualquer relacionamento, mas não apoiou a postura da colega. "Pronto! Agora a doida sou eu... Pra namorar comigo não tem que trair. Se trair, a casa cai!", respondeu a paulista.
"Metade dos caras [que estão assistindo] saíram da sua fila agora, Adélia", disse Tamiel, provocando risos entre os brothers. "Mas falando sério, a violência é uma bola de neve. Você como advogada sabe disso", alertou o professor de Ecologia. "Mas eu tenho muitos amigos que contam que traem, rindo. De mim ele vai dar risada, sim, mas sem peru", declarou Adélia.
Sem perceber que a conversa estava ficando mais séria do que deveria, Matheus lembrou que é possível reconstituir um órgão decepado. O brother citou um caso em que o homem conseguiu reconstruir o pênis e Adélia respondeu: "Teve jeito, ainda? Então a hora que eu cortar, faço assim com a faca nele: faço fatia igual cebola".
Após as declarações, Adélia foi chamada ao confessionário pela produção do programa e não falou mais no assunto.
Não resolve
Antes de ser chamada ao confessionário, a advogada citou o caso de uma mulher que jogou soda cáustica no rosto do marido ao descobrir que foi traída e declarou: "Soda cáustica não resolve".