Daniela Mercury regrava ‘O Canto da Cidade’ para Valorant

Com novo arranjo e batida, música será trilha sonora de vídeo global que celebra o primeiro aniversário do game, com destaque para Raze, personagem brasileira ligada à causa dos direitos LGBTQIA+

O Canto da Cidade está diferente: 30 anos depois de lançar um dos hinos do axé, Daniela Mercury regravou a música, que ganhou uma outra batida para ser a trilha sonora do vídeo global que celebra o primeiro aniversário de Valorant, o FPS game da Riot que traz uma personagem brasileira, a baiana Raze. “Adoro ser convidada para estar em ambientes que não conheço e que são novos para mim. Está sendo muito enriquecedor. O Canto da Cidade é da Raze, vai para o mundo inteiro e estou muito orgulhosa como brasileira, mulher, cantora e compositora”, diz Daniela, lembrando que fez a canção com Tote Gira.

A cantora conta que quando seus filhos mais velhos Gabriel e Giovana, eram pequenos, curtiu com eles os games de futebol. Duas das três filhas mais novas da artista não passaram pela mesma fase, mas uma de suas sobrinhas, Ana, é “a louca do game” e seu afilhado, Tito, de 18 anos, gosta tanto que quer fazer músicas para games. “Infelizmente, eu não tenho tempo de curtir e acompanhar mais de perto, mas acho o universo gamer rico e intrigante. Associo muito à arte e aos desenhos animados e fico enlouquecida com o aperfeiçoamento desse universo virtual”, diz, lembrando que sua caçula, de 14 anos, está louca para entrar neste mundo. "Já avisei que vou jogar com ela", diz.

Daniela se encantou por Raze ao conhecer a personagem. “Achei muito divertido o sotaque, o jeito, a autoconfiança dela e a reboladinha quando vai atirar”, diz a artista. “Ela tem o otimismo que é associado o baiano e gosto dos tiros virarem tintas coloridas, dessa influência da arte de rua”, aponta.

“Raze é uma mulher segura, confiante, e que se defende. Eu gosto de ver uma mulher forte nos representando e dela usar a capoeira, que tem relação com Salvador. Me senti orgulhosa de ter uma baiana representando o Brasil nos games. Não tínhamos uma personagem assim. Meus sobrinhos gamers disseram que se sentiram representados com ela”, explica a cantora.

Ela ressalta ainda o fato de Raze ser alinhada com a luta LGBTQIA+ -- os fãs de Valorant, inclusive, acreditam que ela e Killjoy, outra personagem, são um casal. “Ela é afirmativa mais que tudo. Raze se dá bem com todo mundo, respeita os outros e é favor de conviver com todos. Isso abre para a reflexão para os jovens, que estão mais ligados nessa questão e lutando contra todo tipo de discriminação. Ela é forte, nordestina e, se for confirmado (o romance), só isso já é um avanço", avalia.