Camarote pipoca? “Anônimos” do BBB22 já são conhecidos na internet

Mesmo antes do confinamento, integrantes do grupo Pipoca já colecionam milhares de seguidores nas redes sociais

A Globo finalmente acabou com o segredo e divulgou, durante sua programação desta sexta-feira (14/1), os nomes dos confinados no Big Brother Brasil 22, tanto da Pipoca como do Camarote. Um detalhe que chamou atenção é que os não-famosos do reality show, na verdade, são subcelebridades que colecionam milhares de seguidores na internet.

Vinicius, por exemplo, já é conhecido na internet como um “influencer de baixa renda” e um vídeo seu viralizou por conta do humorista Tirullipa. Já Bárbara Heck vai entrar na casa com mais de 215 mil seguidores, que já tinha nas redes sociais antes mesmo de ser anunciada no programa. Ela, inclusive, tem uma foto com ninguém mais e ninguém menos que Neymar Jr.

O mesmo acontece com Laís Caldas, que é amiga de outros ex-participantes do reality global. A morena relembrou uma foto ao lado Munik Nunes, Hariany Almeida e Isabella Cecchi. Na imagem, o quarteto aparece em Fernando de Noronha, usando looks branco e prata. “Saudade de uma festinha com as migles. E vocês?”, escreveu ela na legenda da foto.

Para o professor de mídias sociais da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de Porto Alegre João Finamor, a estratégia do programa é buscar um nicho já engajado e levar para a massa da população. “Eu penso muito que o Boninho caiu em uma estratégia do digital, inclusive no TikTok, que é pegar um nicho já engajado. Você pega uma base de pessoas fortes no seu nicho e joga para a massa. É, basicamente, pegar a força do digital e dar amplitude para a TV”, explicou ao Metrópoles.

Quando questionado se a ideia de incluir subcelebridades em um programa grande como o BBB é vantajosa, Finamor ponderou: “Se você me fizesse essa pergunta no ano passado, eu diria que é uma via de mão dupla. Depois de um ano a gente viu que mesmo cancelados conseguiram reverter e fizeram sucesso. A Viih Tube mesmo, Karol Conká.”

“A grande questão é saber lidar. Avaliando a edição passada, [que teve] recorde de rejeição, tudo é uma questão de posicionamento digital. Na pior das hipóteses, você ganha visibilidade.”
João Finamor

“Se a gente for avaliar a edição passada, quem não reverteu [o cancelamento] foi o Nego Di, porque não houve estratégia para lidar com isso. Independente de ser cancelado ou não, sabendo trabalhar isso você pode monetizar a seu favor. Para esses micros influencers, a massa vai dar ainda mais amplitude”, completou o professor.

Finamor também alegou se preocupar com o perfil dos participantes, já que eles podem entrar com um personagem já programado, visando ganhar o mesmo sucesso que outros brothers obtiveram. Laís Carla, inclusive, já foi comparada na web com Rafa Kalimann, vice-campeã da 20ª edição do programa.

“Como telespectador, eu tenho medo de que essa geração de Pipoca já entre com a pegada de personagem. Me preocupa que muitos deles venham como a fórmula do personagem. Como profissional do digital, é uma grande oportunidade que eles possam se tornar maiores ainda. A [Bárbara] Heck, por exemplo, tem um grande potencial de influencer. Se houver estratégia, com certeza é uma grande oportunidade”, conclui o especialista.