Oficina de argila apresenta fazer ancestral ao público do Mercado do Artesanato

Maceioenses participaram de ação cultural no equipamento nesse sábado (3); confira data da próxima

O Mercado do Artesanato, localizado no bairro Levada, realizou, neste sábado (3), mais uma edição da Oficina de Argila. A iniciativa dos permissionários reuniu crianças, jovens adultos e idosos no pátio do mercado.

A proposta da oficina é conseguir trazer o público de volta ao Mercado do Artesanato, um local de cultura e arte. Ao todo, 28 pessoas participaram da segunda edição da oficina, entre crianças, jovens adultos e idosos. Na primeira edição, realizada no final de agosto, 25 pessoas participaram.

“A gente está levando a cultura mais adiante. Levando a olaria mais adiante, fazendo com que as pessoas conheçam o processo de tratamento até chegar nas mãos e poder moldar algo”, explica um dos organizadores da ação, o artesão Mano Oliveira.

A oficina é ministrada pelo artesão Wellington Noé, que também é permissionário do Mercado do Artesanato. Ele explica que há mais de 25 anos queria passar o que sabe sobre a olaria para os demais.

Oficina de argila no Mercado do Artesanato de Maceió - Foto: Alisson Frazão

“A minha intenção é conseguir somar e mostrar como são produzidas as peças. Não faço só argila, quero conseguir fazer oficina de outros trabalhos para passar o meu saber para as pessoas”, afirma o mestre.

Isa Rezende, 40 anos, moradora do bairro Poço, sempre visita o Mercado do Artesanato e lembra da infância. Ela levou para as filhas, que aproveitaram para aprender mais sobre o ofício.

“Como eles precisam fazer um trabalho escolar para mexer com argila e fazer uma escultura sobre a cultura alagoana, aproveitei. Essa é a oportunidade perfeita de aprender a mexer com argila, que não é fácil”, revela.

O pequeno Dante de Oliveira, 9 anos, pediu ao pai para participar da oficina. “Já tinha mexido na escola. Gostei e fiquei mexendo e fiz um cacto. Hoje vou fazer um vaso”, fala animado.

Para Sueli Catarina, 64 anos, a oficina será uma oportunidade para ela trabalhar com as mãos. “Tenho artrose e disseram que o artesanato é bom para movimentar as mãos, exercitando. Quando chegar na fisioterapeuta eu vou dizer: fui lá, tô fazendo e tô gostando”, conta com entusiasmo.

A próxima oficina de argila está marcada para o dia 17 de setembro e já tem 34 pessoas agendadas para participar.