Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > CULTURA

De volta a Maceió, Zeca Pagodinho revisita sucessos; confira entrevista

Sambista comentou sobre show "De Santo Amaro a Xerém", que apresenta em Maceió ao lado de Maria Bethânia

Movido pelo samba e costurado pelos sucessos de dois dos maiores nomes da Música Popular Brasileira, "De Santo Amaro a Xerém", show de Maria Bethânia e Zeca Pagodinho, chega a Maceió para única apresentação, nesta sexta-feira (18), no Ginásio do Sesi. O projeto dos veteranos coleciona elogios da crítica e do público pelo afinado espetáculo, que vai da Bahia ao Rio, um caminho feito de ritmos, crenças e brasilidade.

A parceria começou em 2016, quando Zeca Pagodinho convidou a filha de Dona Canô para cantar "Sonho Meu", de Dona Ivone Lara, no projeto "Quintal do Pagodinho". O improvável encontro do samba de roda da Bahia com o carioca resultou na parceria que, além da apresentação que esgotou ingressos em todas as capitais por que passou, rendeu um DVD, registro do show "De Santo Amaro a Xerém", gravado no ano passado. Maceió é a penúltima cidade a receber o encontro e ainda há ingressos à venda.

Leia também

Jessé Gomes da Silva Filho, o Zeca Pagodinho, é símbolo nacional da boemia e não dispensa uma boa cerveja e/ou uma roda de samba. Carioquíssimo, devoto de São Jorge e da Portela, há quase 40 anos leva aos palcos do Brasil e do mundo esse clima de boteco. O vencedor de quatro prêmios Grammy Latino falou com aGazetawebsobre sua trajetória e sobre o show que apresenta em Maceió nesta sexta-feira.

Gazetaweb:Você sempre disse que fazia samba para se divertir. O que isso significa? É assim até hoje?

Olha, significa que, no início, eu não tinha compromisso, não queria ser artista. O meu grande sonho era ouvir minhas músicas no rádio, nas vozes de outros cantores. Eu compunha e ia pras rodas apenas pra mostrar meus sambas e me divertir. Hoje ainda me divirto, mas no palco e estar no palco, além da diversão, requer responsabilidade.

Que diferenças existem no seu samba de hoje para o do início da carreira?

A diferença é que antes eu fazia muito mais sambas do que faço agora, tinha mais tempo. Hoje acabo gravando mais as músicas de outros compositores, mas, quando faço, a essência é a mesma.

Como foi o contato com Bethânia e o que você pode nos contar sobre essa experiência no palco?

Sempre fui fã da Bethânia, desde a minha juventude escutava os discos, decorava os poemas que ela recitava neles. Nunca imaginei que um dia estaria num palco com ela, mas, algum tempo atrás, surgiu a ideia de convidá-la para participar do "Quintal" e eu achei que ela não iria, mas ela foi e, de lá pra cá, foi só alegria.

Sobre o samba de hoje, ele fala com o povo?

Acho que sim, a música sempre fala com o povo, seja ele de onde for. Em cada pessoa, ela bate de uma maneira, mas sempre tem muita gente se identificando com a mensagem que a música traz.

Confira o convite do sambista para os alagoanos:

SERVIÇO

MARIA BETHÂNIA E ZECA PAGODINHO - "DE SANTO AMARO A XERÉM"

Quando:Sexta, 18 de janeiro, às 22h30

Onde:GINÁSIO DO SESI (Trapiche da Barra, Maceió/AL)

Abertura dos portões:20h

Show de abertura:Wilma Araújo

Ingressos:www.eventim.com.br / Livraria Leitura (Parque Shopping) / Aimê Acessórios (Ponta Verde)

Informações:(82) 3235-5301

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas