Com ingressos a R$ 10 cinemas tentam convencer público a retornar às salas de exibição

Promoção ocorre nas próximas duas quartas-feiras, 20 e 27 de outubro

Os cinemas em Alagoas foram autorizados a retomar as atividades em julho deste ano, depois de 16 meses fechados e um prejuízo que gira em torno de R$ 18,1 milhões, segundo a representante de uma das redes que possui salas em Maceió. Agora, três meses depois da retomada, as casas de exibição enfrentam mais um desafio: convencer o público de que chegou mesmo a hora de voltar.

Para difundir a ideia de retornar em segurança para o escurinho do cinema, a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) e a Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas Operadoras de Multiplex (Abraplex) se uniram e criaram a campanha “Cinema é 10”, que vai garantir ingressos a R$ 10 para cinéfilos de todo o Brasil nas próximas duas quartas-feiras.

A ideia da promoção é atrair as famílias para os multiplex e difundir as medidas de segurança que os locais adotaram. “Temos muita confiança de que os cinemas são seguros e que já é hora de retomar esse hábito tão importante para famílias de todo o país. Criamos alguns dos protocolos mais rígidos do mercado e hoje quem nos visita sempre deixa como feedback uma impressão positiva e tranquila. E é por isso que aderir à campanha é tão importante. Com isso vamos abrir a possibilidade para que mais pessoas voltem a assistir filmes nas telonas e vejam, com os próprios olhos, que adaptamos toda a jornada do cliente para que ele se sinta plenamente seguro dentro dos nossos estabelecimentos”, conta Sherlon Adley, Diretor Comercial e de Marketing da Cinesystem.

O desconto é válido nos dias 20 e 27 de outubro e será aplicado ao final da compra dos ingressos. Além do Cinesystem, a rede Kinoplex também confirmou adesão ao projeto.

O QUE DIZ O PÚBLICO

“Eu ainda não fui, mas pretendo ir esses dias para assistir um filme de terror, inspirada pelo Halloween”, revela Sara Rosa, de 17 anos. A adolescente disse que a família conversou sobre voltar aos cinemas, logo quando o governo autorizou o retorno. “A gente ficou temeroso no começo, mas fomos nos inteirando sobre voltar. Também tem toda uma adaptação, de sair, de comprar comida, tudo como era antes. Meus pais amavam ir ao cinema”, diz.

Para o dentista Thiago dos Santos, a volta foi difícil, mas valeu a pena. “Gosto de ir ao cinema e sempre ia pelo menos uma vez ao mês. Agora, estamos indo menos, já que os hábitos mudaram. Mas nada substitui a experiência do cinema, ainda mais agora, depois de tanto tempo isolados”, defende.

SEGURANÇA

Patricia Cotta, gerente nacional de marketing do Kinoplex, diz que a rede que representa tomou todas as providências para retomar as atividades com o maior nível de segurança possível.“Durante esse período em que ficamos fechados, estudamos minuciosamente a jornada do cliente em nossos cinemas e cada ponto de contato, cruzamos essas informações com os protocolos dos órgãos de saúde e governos e criamos processos operacionais e de higienização bastante rígidos e detalhados para preservar o bem-estar e a segurança de todos”, afirma.

Segundo ela, entre as medidas de prevenção, está o bloqueio 360 graus ao redor dos espectadores, garantido por um sistema de vendas inteligente, no momento da compra; a renovação contínua de ar dentro das salas, que garante ar limpo e purificado durante toda a sessão e o uso de máscaras, que será obrigatório em todos os ambientes e para todos os espectadores e colaboradores.

Sherlon Adley, do Cinesystem, explica que os protocolos da rede que ele representa são alguns dos mais rígidos do mercado e garantiram que tivessem um período de funcionamento em 2020 e 2021 sem qualquer tipo de risco ou mesmo ocorrências por parte de clientes e colaboradores em diversas cidades do Brasil.

CENTRO CULTURAL ARTE PAJUÇARA

Apesar de não fazer parte da promoção dos multiplex, justamente por ser independente, o tradicional Centro Cultural Arte Pajuçara, em Maceió, vem divulgando diversas promoções nas últimas semanas. Na segunda-feira, por exemplo, o cinema teve ingressos a partir de R$ 15.

O local, que também adotou medidas rígidas contra a propagação do novo coronavírus, tem uma seleção de filmes em cartaz, como “Cry Macho - O Caminho para a redenção”, de Clint Eastwood, e “A Dona do Barato”, do diretor Jean-Paul Salomé.

De acordo com Marcos Sampaio, diretor de programação do Centro Cultural Arte Pajuçara, as sessões no local são para apenas 50 pessoas, com distanciamento de pelo menos duas poltronas entre uma pessoa e outra.

“O uso de máscaras é obrigatório e as pessoas poderão comprar alimentos na bomboniere para consumo exclusivamente durante a sessão. Sinalizamos tudo para que o público saiba como se comportar e lidar com o espaço. Vale lembrar que há levantamentos que apontam que os cinemas, seguindo esses rígidos protocolos de segurança, é hoje um dos espaços com menor risco de contaminação”, afirma.