Reitor da Ufal afirma que falta de repasse de recursos representa 'desmonte da Educação'

Gestão disse ainda que é justa a mobilização dos estudantes e lamentou não ter dinheiro para pagamento de bolsas

O reitor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Josealdo Tonholo, chamou de "desmonte da Educação" a situação da falta de repasses de recursos financeiros por parte do Governo Federal. Os alunos, sem o recebimento de bolsas desde fevereiro deste ano, pedem providências da gestão.

“O movimento dos alunos é muito justo. O que estamos assistindo é o desmonte da Educação, e eu lamento não ter poder de resolutividade para essa situação das bolsas", salientou o gestor.

Ele reforçou, ainda, que a reitoria tem mantido contato permanente com o Ministério da Educação e buscado apoio da bancada federal para tentar resolver o problema, que depende, também, da liberação da peça orçamentária de 2021.

“Infelizmente, este ano, tivemos, apenas, um único repasse de recursos para as bolsas, que foi em 17 de fevereiro, o que permitiu pagar as bolsas de janeiro. Desde o final de fevereiro, não recebemos mais repasses para nada. Temos as folhas de fevereiro e as de março já liquidadas no DCF [Departamento de Contabilidade e Finanças], mas nenhum centavo em conta para poder fazer o pagamento. Estamos todos trabalhando arduamente para garantir o funcionamento da Universidade, mas está muito difícil”, completou.

O reitor destaca, ainda, que o Governo Federal mudou a política de repasses de semanal para mensal, sem aviso prévio.

“Os repasses que aconteceram não permitem o pagamento integral das pendências, pois está vindo de forma contingenciada. Lamento, profundamente, o que está ocorrendo, mas a questão do repasse extrapola nossa competência direta. Acionamos o MEC, acionamos a bancada federal, mas, até agora, não tivemos retorno. Esperamos que o Ministério da Economia seja sensibilizado para liberar, logo, estes recursos e que possamos retomar as atividades”, finalizou.