Nego do Borel mostra resultados de exames e nega que transmitiu HPV a Duda Reis

Cantor postou vídeo e imagens de resultados de exames

Nego do Borel usou seu Instagram, na noite de segunda-feira (18), para postar vídeo e imagens após fazer exames de sangue, no último sábado (16). O cantor decidiu rebater as acusações da ex, a atriz Duda Reis, de que ele teria lhe transmitido HPV.

"Os últimos dias tem [sic] sido de muitas acusações para mim. A minha resposta para tudo isso será provar a minha inocência. E no meio das muitas acusações eu fui acusado de ter transmitido HPV. Como quem não deve não teme, resolvi fazer um exame. E hoje vim aqui apresentar o resultado. Não, eu não tenho e nunca tive HPV, assim como nenhuma outra doença sexualmente transmissível. Se alguém que se relacionou comigo tem, não foi de mim que pegou. Eu e minha equipe estamos trabalhando dia e noite e vamos provar que essas acusações são mentirosas!", começou ele.

"Agradeço a todos que confiam em mim e estão do meu lado neste momento. Mas a partir de agora não pretendo mais me pronunciar sobre esse assunto. Qualquer dúvida sobre isso será tratada pela minha assessoria jurídica. Estaremos à disposição da justiça. Tenho fé de que a verdade irá prevalecer!", finalizou o cantor.

Duda acusa Nego do Borel de estupro de vulnerável no boletim de ocorrência que fez na última quinta-feira (14) e que foi divulgado na íntegra no programa A Tarde é Sua. Ao todo são cinco acusações, entre elas lesão corporal, violência doméstica, injúria e ameça. Todos aparecem como consumados na declaração à polícia.

As agressões teriam começado em 2018: "Comparece a esta Especializada, juntamente com sua advogada, Doutor Izabella, informando que manteve um relacionamento de união estável com o autor durante 9 meses e vivendo juntos há 3 anos, sem filhos. Que no mês de Fevereiro de 2018, durante o Carnaval, iniciaram as agressões. Que a vítima nesta ocasião teve seus braços apertados pelo autor, resultando em marcas de agressões. Que nesta mesma ocasião, o autor a ameaçou com uma faca, pois a vítima havia chegado mais tarde no dia anterior. Que nesta data, a vítima tinha comparecido ao sambódromo sem a aprovação do autor. Que a partir desta data, o autor a humilhava e a xingava e continuava agredindo-a fisicamente, tornando continua as rotinas de agressões, inclusive em frente as testemunhas", iniciou o boletim.

Em seguida, Duda relata os danos emocionais causados pelo relacionamento: "Que em outra ocasião, na Páscoa de 2018, o autor teria a empurrado na frente dos amigos do autor, em um evento de caridade (distribuição de ovos de páscoa na favela do borel), no Rio de Janeiro, causando-lhe lesões nas costas. Que juntamente a isso, ocorreram xingamentos e humilhações. Que após esse episódio, o autor tentava se redimir das agressões causadas, dizendo que a vítima 'trazia o pior dele' (sic) e que a culpa era da vítima. Que após os episódios de agressões, a vítima passou a apresentar transtornos psíquicos e emocionais, desenvolvendo anorexia nervosa, bulimia, depressão, e síndrome do pânico, diagnosticado por psicólogo e psiquiatra da vítima."

Segundo trecho do boletim, em agosto de 2018, em uma viagem a Portugal, de 20 dias, Duda teria permanecido dopada com o incentivo de Nego, e ele manteve relações sexuais com ela mesmo sem consentimento.

"Em agosto de 2018, em uma viagem a Portugal com o autor, por 20 dias, a vítima permaneceu dopada de medicamentos com o incentivo de uso de medicamentos pelo autor (dose indicada pelo médico - 2 miligramas de Aprazolan, porém fez uso de 8 miligramas por dia), que retornava dos shows e saídas noturnas e que o autor mantinha relações sexuais não consentidas pela vítima, que estava dopada e a mesma dizia para que o autor não mantivesse relação sexual", diz o boletim, que ainda descreve uma das violências domésticas que Duda teria sofrido.

"Durante a mesma viagem, o autor forçou a vítima a acompanhá-lo em um show. Perante a recusa da vítima, o autor usou a força e a empurrou em direção a um cabideiro do recinto aonde estavam, caindo sobre o solo, resultando em lesões em suas costas e pernas. Mesmo machucada, a vítima ainda foi obrigada a acompanhá-lo ao show. Estava dopada pelo medicamento Aprazolam."

Conforme o depoimento de Duda, ela nunca fez uso de álcool. “A vítima informa que nunca fez uso de entorpecentes ou álcool. Que em 2020, se recorda que, durante o relacionamento, começou usar quantidades maiores de medicamentos e já mencionados e que durante uma discussão, o autor dizia que era para a vítima sair da visão do autor para não 'a comer na porrada'", continua o boletim.