Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Cesarianas antecipam partos no Brasil, com riscos para os bebês

Pesquisadores do Insper investigaram os efeitos da manipulação da data do parto no período do carnaval


				
					Cesarianas antecipam partos no Brasil, com riscos para os bebês
Estudo sugere que a manipulação da data de partos pode trazer efeitos negativos para os bebês recém-nascidos. Isabel Pavia/GettyImages

As evidências mostram que, no Brasil, muitas cesáreas previstas para ocorrer em meio ao feriado de carnaval são antecipadas ou postergadas. Pesquisadores do Insper Instituto de Ensino e Pesquisa investigaram os efeitos dessa manipulação da data do parto na saúde dos bebês. Os resultados foram divulgados este mês no periódico Health Economics.

A postergação de partos, mostra o artigo, gera aumento na idade gestacional e uma redução na mortalidade neonatal. Já a antecipação reduz a idade gestacional e o peso ao nascer dos bebês – sobretudo daqueles de gestações de alto risco e da parte inferior da distribuição de peso ao nascer. Em termos líquidos, as festividades de carnaval, na média, aumentam o tempo gestacional em 0,06 dia e reduzem as taxas de mortalidade neonatal e de mortalidade neonatal precoce em 0,30 e 0,26 por 1 mil nascidos vivos, respectivamente.

Leia também

O estudo foi realizado por Carolina Melo e Naercio Menezes Filho, ambos economistas e professores do Insper.

“Nossa pesquisa mostrou que existe, sim, uma extensa manipulação das datas dos partos em função do feriado de carnaval. Isso acontece por meio do deslocamento de cesarianas programadas e envolve, principalmente, mulheres menos vulneráveis, de maior nível educacional”, diz Melo.

A pesquisadora aponta que a tendência entre mães de nível educacional mais alto é a antecipação dos partos, para que estes não venham a ocorrer durante o feriado. Mas esse tipo de providência, que privilegia o conforto da parturiente e do médico, encurta artificialmente o período de gestação, podendo colocar os bebês em risco.

“Quando, por vários motivos, os nascimentos não podem ser antecipados por meio de cesarianas, as gestantes acabam esperando um pouco mais e muitas entram em trabalho de parto naturalmente e acabam tendo partos vaginais. As análises mostram que isso pode levar a resultados melhores em termos de maturidade gestacional e sobrevivência neonatal”, afirma Melo.

A professora acrescenta que um aumento líquido de 3,5 dias no tempo gestacional dos partos cujas datas foram manipuladas pode levar a um ganho de peso de 60 gramas. Na verdade, como partos antecipados e postergados entram nessa conta, Melo diz que é provável que os efeitos positivos em tempo gestacional e peso ao nascer para os partos postergados sejam até maiores.

A pesquisadora alerta que, se a postergação de partos devido a um feriado é capaz de mexer em um indicador tão extremo como mortalidade neonatal, é provável que o comum seja os nascimentos ocorrerem muito cedo no país – fato associado à antecipação de partos por meio de cesáreas eletivas –, e os bebês nascerem com condições de saúde piores do que eles poderiam nascer caso as gestações fossem prolongadas.

Como destaca a pesquisadora, nos hospitais totalmente privados do Brasil (que não atendem SUS), 86% dos partos são cesarianas. O índice é muito mais elevado do que a média nacional, de 55%, que já é altíssima. Vale lembrar que a proporção de partos cesarianos recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de até 15%. E que, com seus 55%, o Brasil ocupa a segunda posição no ranking mundial, depois da República Dominicana (58,1%).

Embora a pesquisa em pauta tenha fechado seu foco no período do carnaval, a pesquisadora acredita que a tendência de antecipar artificialmente as datas dos partos é mais geral, e não se restringe aos feriados. “Enquanto a OMS recomenda um período gestacional mínimo de 39 semanas, a média brasileira é de 38,5 semanas. Isso significa que muitos bebês estão nascendo antes do tempo seguro”, diz.

O estudo enfatiza a necessidade de políticas públicas que restrinjam a antecipação de partos sem justificativas médicas, para minimizar os riscos associados a nascimentos prematuros e baixo peso ao nascer.

A pesquisa recebeu apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) por meio de Bolsa de Pós-Doutorado concedida a Carolina Melo e do Centro Brasileiro para o Desenvolvimento na Primeira Infância (CPAPI), um Centro de Pesquisa Aplicada (CPA) coordenado por Menezes Filho e constituído em parceria com a Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X