Alagoas registra mais 22 óbitos por Covid-19 e 739 casos confirmados

Estado já soma um total de 158.069 alagoanos infectados e 3.710 mortes, segundo a Secretaria de Estado da Saúde

O novo Boletim Epidemiológico sobre a Covid-19 em Alagoas, divulgado nesta quarta-feira (7), mostra que o estado registrou mais 739 casos confirmados do vírus e 22 óbitos, chegando a um total de 158.069 alagoanos infectados e 3.710 mortes. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Do total de casos confirmados, 150.000 pacientes já finalizaram o período de isolamento e não apresentam mais sintomas da doença, sendo considerados como recuperados. Atualmente, 9.152 casos então em investigação laboratorial. Todos os municípios de Alagoas já registraram pessoas infectadas pela Covid-19.

Em relação ao total de mortes, oito eram de pessoas residentes em Pernambuco, São Paulo, Santa Catarina e Bahia, tendo como vítimas seis homens e duas mulheres. Dos 3.702 óbitos de pessoas residentes em Alagoas, sendo 2.071 do sexo masculino e 1.631 do sexo feminino. Além disso, 1.690 pessoas residiam em Maceió e as outras 2.012 moravam no interior, segundo o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs).

Dos 22 óbitos confirmados nesta quarta (7), 13 residiam na capital alagoana e nove do interior. As vítimas de Maceió eram sete homens, com 41, 43, 44, 69, 73, 75 e 89 anos, e seis mulheres, com 47 anos, uma de 60, uma de 62, duas de 66 e uma de 80 anos.

O homem de 41 anos não tinha comorbidades e morreu no Hospital Medradius, em Maceió; o homem de 43 anos era obeso e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; o homem de 44 anos era hipertenso e morreu no Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió; o homem de 69 anos tinha doença cardíaca crônica e morreu na Santa Casa de Maceió; o homem de 73 anos tinha Alzheimer, Parkinson e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; o homem de 75 anos era hipertenso e morreu no Hospital Arthur Ramos, em Maceió; o homem de 89 anos era também hipertenso e morreu na Santa Casa de Maceió; a mulher de 47 anos era hipertensa, obesa e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; a mulher de 60 anos tinha doença cardiovascular, diabetes e morreu também no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; a mulher de 62 anos tinha hipertensão, doença respiratória crônica e morreu no Hospital Medradius, em Maceió; a primeira mulher de 66 anos não tinha comorbidades e morreu no Hospital Universitário (HU) de Maceió; a segunda mulher de 66 anos hepatite crônica e morreu no Hospital Veredas, em Maceió; e a mulher de 80 anos era hipertensa e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió.

Em relação as nove vítimas que residiam no interior do Estado, eram seis homens, sendo um de 42, um de 58, um de 62, um de 72 e dois de 77 anos, além de três mulheres de 47, 70 e 85 anos. O homem de 42 anos, morava em Arapiraca, não tinha comorbidades e morreu no Hospital de Emergência do Agreste (HEA), em Arapiraca; o homem de 58 anos, morava em Marechal Deodoro, tinha diabetes e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; o homem de 62 anos, morava em Arapiraca, tinha doença cardiovascular e morreu no Hospital de Emergência do Agreste (HEA), em Arapiraca; o homem de 72 anos, morava em Atalaia, tinha doença cardiovascular, diabetes, sequelas de um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; o primeiro homem de 77 anos, morava em Palmeira dos Índios, não tinha comorbidades e morreu no Hospital Regional Santa Rita, em Palmeira dos Índios; o segundo homem de 77 anos, morava em Maragogi, não tinha comorbidades e morreu no Hospital Regional do Norte (HRN), em Porto Calvo; a mulher de 47 anos, residia em Palmeira dos Índios, tinha doença cardiovascular, diabetes, hipertensão e morreu no Hospital da Mulher (HM), em Maceió; a mulher de 70 anos, era de Murici, não tinha comorbidades e morreu no Hospital Regional da Mata (HRM), em União dos Palmares; e a mulher de 85 anos, era de Palmeira dos Índios, não tinha comorbidades e morreu no Hospital Chama, em Arapiraca.

Leitos de hospital

Dos 1.343 leitos criados para atender pacientes com suspeita e confirmação de infecção pelo novo coronavírus, 759 estavam ocupados até as 16 horas da terça-feira (6), o que corresponde a 57% do total. Atualmente, 327 pacientes estão em leitos de UTI, oito ocupando leitos intermediários e 424 em leitos de enfermaria.