Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Tragédia: RS agora se prepara para surtos de leptospirose e hepatite

Secretaria Estadual da Saúde do RS prevê aumento expressivo de casos de leptospirose e hepatite A


				
					Tragédia: RS agora se prepara para surtos de leptospirose e hepatite
Enchentes que atingem o Rio Grande do Sul. Jefferson Bernardes/Getty Images

Um dos efeitos esperados pós-enchente é a chegada de novas doenças e a intensificação de outras que já circulavam no território local. Nas próximas semanas, a Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul prevê aumento expressivo de casos de leptospirose e hepatite A. Essas são algumas das situações mapeadas como as mais prevalentes e que ainda estão em período de incubação, segundo publicação do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs).

Divulgado na semana passada, o guia para a população e profissionais de saúde sobre os riscos e cuidados neste período atenta para questões como doenças transmitidas pelo contato com a água, relacionadas ao consumo de água ou alimentos contaminados, e risco de contato com animais peçonhentos, por exemplo.

Leia também

Com água parada há 10 dias e sem perspectiva de escoamento, outra preocupação é com o risco do aumento da dengue, que já começa a ter reflexo entre os socorristas. Após dois dias retirando pessoas das casas, debaixo de chuva, com um barco amarrado no próprio corpo, o biólogo e professor Jerônimo Loureiro, que atuou nos resgates em Porto Alegre, contraiu o vírus.

Ele começou a sentir dor no corpo e um mal-estar que veio acompanhado de febre e náuseas. No último final de semana, foi diagnosticado com a doença. “A pessoa na clínica, que fez meu teste, disse que tem muita gente com dengue em função das enchentes”, afirmou.

Vômito, prurido e abalo emocional

A veterinária Ísis Kolberg de Souza passou o sábado na água ajudando a resgatar as pessoas e os animais nos bairros Harmonia e Mathias Velho, em Canoas (RS). Os resgates tiveram efeito direto sobre a sua saúde.

“Fiquei um dia bem ruim, passei a noite inteira vomitando. Não sei exatamente o que foi a causa do vômito, se foi pelo fato de estar na água ou se por tudo o que vimos, pelo lado emocional”, diz. Após um dia inteiro com o corpo submerso até a altura do pescoço, a pele de Ísis passou a apresentar áreas avermelhadas e bastante prurido.

“No final do dia, quando saímos da água, comecei a sentir bastante dor no estômago e dor de cabeça, passei a madrugada inteira vomitando muito, sem saber se era algum motivo ligado à água, ou se algo ligado ao emocional pelo que estamos vivenciando”, desabafa. Com medicação, dieta leve e repouso, ela começou a se sentir um pouco melhor no aspecto físico. Emocionalmente, ainda sente o abalo.


				
					Tragédia: RS agora se prepara para surtos de leptospirose e hepatite
Voluntário contraiu dengue após contato com águas contaminadas na enchente. Arquivo Pessoal

Somatizar problemas emocionais no corpo, segundo a psicóloga Karine Menuzzi Fernandes, é comum em situações como estas. A tensão e ansiedade trazidas pelo imaginário da catástrofe causam insegurança.

“Não temos memórias de comparação de ter vivido nada semelhante a isso”, diz. Segundo ela, a enchente mexe com a ausência de segurança para projetar nosso senso de futuro. “As pessoas tentam se imaginar lá para a frente, mas não conseguem, ninguém sabe o que vai ser. E isso nos torna mais inseguros. Alguns se movem para ajudar, uns ficam paralisados, outros somatizam”, explica a psicóloga.

Força-tarefa para apoiar no combate às doenças

Para as equipes de saúde que atuam no enfrentamento às enchentes, a prioridade é salvar vidas, explica Sérgio Beltrão, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará. Vice-presidente da Associação Brasileira de Epidemiologia de Campo, ele conta que equipes de sanitaristas do Brasil já começam a se mobilizar para auxiliar as autoridades no enfrentamento aos eventuais surtos que irão aparecer.

"Entendemos que neste momento a prioridade é salvar vidas. Na recuperação, queremos ajudar a sociedade a reagir rapidamente às possíveis doenças e reestabelecer a atenção à saúde. Temos vacinas atrasadas, preventivos de câncer de colo de útero... tudo atrasado. Infelizmente essa situação favorece agravos que nem se consegue mensurar agora, explica Beltrão.

A Secretaria Municipal de Porto Alegre informou que ainda é cedo para divulgar dados de boletim epidemiológico. O que se sabe até o momento é que foram notificados dois casos de pacientes em pronto-atendimentos com suspeita de leptospirose, ainda não confirmados.

Professor da UnB e sanitarista, Jonas Brant explica que é importante combater as doenças ligadas ao saneamento, decorrentes da mistura de lixo, esgoto e água da chuva. Ele alerta para dois fatores principais, que são o consumo de alimentos de baixa qualidade e o cuidado com água parada, que causam diarreias.

Com a chegada do frio, outro ponto de atenção são as doenças respiratórias. “Com a queda da temperatura, as doenças encontram pessoas com imunidade baixa, grande estresse e pouca ventilação nos abrigos. Isso já é alvo da vigilância. É importante que cada ginásio tenha sua estratégia local de monitoramento de síndromes assim como recomende a vacinação dos acolhidos, para evitar doenças como o tétano, por exemplo”, afirma.

Além de procurar a unidade de saúde para revisar o calendário de vacinas, a recomendação de Brant é organizar processos para que a água e a comida estejam em boa qualidade, ferver e filtrar água para que não se tenha consumo inadequado e cozinhar bem os alimentos. Tentar, ainda, garantir ventilação nos ambientes para evitar a transmissão de doenças respiratórias, é um caminho para a prevenção.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas