Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Suspeita de atacar jovem com ácido 'não manifestou arrependimento'

Jovem suspeita de atacar Isabelly Aparecida Ferreira Moro está presa preventivamente. Crime foi motivado por ciúmes


				
					Suspeita de atacar jovem com ácido 'não manifestou arrependimento'
Isabelly Aparecida Ferreira Moro. Reprodução/ Arquivo pessoal

A suspeita de jogar ácido em Isabelly Aparecida Ferreira Moro, 23 anos, na última quarta-feira (22/5), não demonstrou arrependimento durante depoimento à Polícia Civil, segundo a delegada Caroline Fernandes, que investiga o caso. As informações são do g1.

O crime ocorreu na última semana, quando Isabelly voltava da academia em Jacarezinho, no norte do Paraná. A suspeita, de 22, foi presa dois dias depois do crime, na sexta-feira (24/5).

Leia também


				
					Suspeita de atacar jovem com ácido 'não manifestou arrependimento'
Vítima após ter sido atacada com ácido no rosto. Reprodução

Segundo a delegada Caroline Fernandes, a mulher confessou o crime, e “não manifestou arrependimento” durante depoimento na delegacia. Ela está presa preventivamente. A motivação do crime seria ciúmes do atual namorado, ex-compaheiro de Isabelly. Ele está preso por causa de outro crime, e ainda não foi ouvido pela polícia.

Estado de saúde

O Hospital Universitário (HU) de Londrina, onde a jovem está internada, não divulgou boletim sobre o estado de saúde de Isabelly nesse domingo. A última atualização ocorreu no sábado, quando ela teve uma melhora no quadro clínico, estava consciente e respirava sem ajuda de aparelhos.

Ao g1 a mãe da vítima afirmou que o ácido não atingiu os olhos de Isabelly e que a fala da filha não foi prejudicada pelo químico.

Crime planejado

A suspeita teria comprado o ácido usado no crime cerca de 15 dias antes do ataque, em um supermercado. Para a delegada, esse é um indício de que o crime foi planejado.

A jovem passou a ser suspeita ainda durante o testemunho de familiares e amigos de Isabelly. À polícia a família da vítima citou que ela havia brigado com o ex-namorado, que está preso por roubo. Os delegados também confirmaram que, no dia do ataque, a suspeita não dormiu em casa, e também não buscou o filho na creche.

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná, a jovem será indiciada por tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil, emboscada, meio cruel e feminicídio. Quando for concluído, o inquérito policial será encaminhado ao Ministério Público, que pode ou não oferecer denúncia.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas