Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

'Queimava demais', diz vítima de ataque com soda cáustica

Após deixar hospital no Paraná, jovem deu entrevista sobre o ocorrido


				
					'Queimava demais', diz vítima de ataque com soda cáustica
Jovem recebeu alta após 17 dias internada em hospital. Foto: Reprodução/RPC

“Só sentia dor, queimava demais, parecia que estava pegando fogo”, relatou Isabelly Ferreira Moro, de 23 anos, que sofreu um ataque com uma solução de soda cáustica e água em Jacarezinho, no Paraná.

A jovem estava internada desde 22 de maio, quando aconteceu o ataque. Ela deu as declarações em uma entrevista no último sábado, 8, à RPC, afiliada da TV Globo no Estado, após deixar o hospital.

Leia também


				
					'Queimava demais', diz vítima de ataque com soda cáustica
Caso foi flagrado por uma câmera de segurança. Foto: Reprodução

Isabelly não ficou com cicatrizes visíveis no rosto, mas detalhou as sequelas do ataque. “A boca foi o que mais atingiu. O cabelo também danificou, era mais longo. Parte dos seios também, bastante. Mas eu estou bem. [...] Estou me recuperando aos poucos, só de estar em casa já é um alívio.”

“Na hora, eu assustei e fui tentar atravessar a rua e eu lembro que ela veio e jogou o produto em mim”, relembrou.

Após o ataque, ela conta que perdeu a consciência e, ao despertar, já estava internada. “Fui entubada, foi a sensação mais horrível da vida, porque num momento você está bem, aí do nada você acorda entubada, mal, perdida”.

A suspeita pelo ataque foi detida pela Polícia Militar dias após o incidente e admitiu a autoria do crime, motivada, segundo ela, por ciúmes. Isabelly, que é ex-namorada do atual companheiro da agressora, disse não ter entendido o motivo do ataque. “Eu nunca dirigi a palavra a ela, nunca fiquei encarando ela. Pra mim, é uma pessoa que era invisível”, declarou a vítima.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas