Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Mostra sobre mosaicos celebra 150 anos da imigração italiana no Brasil

Peças podem ser vistas até 18 de agosto


				
					Mostra sobre mosaicos celebra 150 anos da imigração italiana no Brasil
Peças podem ser vistas até 18 de agosto. Rovena Rosa/Agência Brasil

Uma mostra multimídia, imersiva e itinerante a ser aberta ao público neste sábado (22), no MIS Experience, celebra os 150 anos da imigração italiana no Brasil. Chamada de Mosaico - Código Itálico de uma Arte Atemporal, a exposição conta a história da Itália por meio de um de seus importantes aspectos artísticos e históricos: o mosaico.

“Temos a intenção de dar um presente ao Brasil nos 150 anos da imigração italiana”, disse Lillo Teodoro Guarneri, diretor do Instituto Italiano de Cultura e adido cultural do Consulado da Itália, em entrevista à Agência Brasil.

Leia também

“O mosaico é a perfeita junção de uma alta parte artística, do desenho e da imaginação com uma alta parte técnica. São Paulo foi planejada e construída em grande parte pelos italianos – e não só arquitetos, mas também por pessoas que faziam a decoração, os artesãos. Pensamos em trazer uma exposição que possa favorecer o diálogo, lembrando daqueles italianos que vieram aqui com um grande conhecimento técnico”, acrescentou.

Sangue italiano

“São Paulo é uma cidade onde 25% da população têm sangue italiano. E os italianos foram fundamentais na construção dessa cidade. Então, homenagear essa imigração, que comemora 150 anos, estava muito no nosso objetivo e essa exposição caiu como uma luva. Aqui, a gente celebra a cultura, a arte do mosaico, que é muito italiana e que depois, claro, cresceu para outros lugares. Essa é uma arte que exige muito talento, tanto dos artistas quanto dos artesãos capazes de produzir o material necessário e de fixá-lo com precisão”, afirmou André Sturm, diretor do MIS.

Além de embelezar e decorar ambientes, os mosaicos são considerados um patrimônio histórico, narrando histórias de reis, religiões, cotidianos e costumes. Eles também são uma história sobre a própria arte e de como seus estilos vão se alterando ao longo dos anos.

“A técnica é variada no tempo e o conteúdo também é variável. No período romano, obviamente, era mais dedicado à geometria, às cenas de caça e às cenas amorosas. Na parte mais tradicional, depois da entrada do cristianismo na história, ele é mais voltado para o tema religioso. Na modernidade se retoma esta parte muito forte relacionada ao urbanismo. O mosaico sempre foi um signo de poderio, sempre foi relacionado a momentos muito fortes de grande capacidade artística, técnica e de dinheiro”, explicou o diretor do Instituto Italiano de Cultura.

Percurso

A exposição é dividida em sete estações que relatam a arte dos mosaicos em diversos locais italianos como Roma, Pompeia, Aquileia, Ravenna, Palermo, Monreale, Praça Armerina e na cidade submersa de Baia. Essa arte é mostrada por meio de conteúdos audiovisuais inéditos, filmagens subaquáticas e feitas com drones, materiais de arquivo, animações gráficas e uma trilha sonora especialmente composta para a mostra.

A primeira protagonista da mostra é Roma, cujo passado ganha vida através de mosaicos guardados nos Museus Capitolinos e nas duas basílicas alto-medievais: Santos Cosme e Damião e Santa Praxedes. Depois, vem a Casa do Fauno, em Pompeia, com fragmentos que testemunham a Batalha de Isso.

A segunda estação mostra o pavimento da Basilica de Aquileia e, a terceira, é dedicada a Ravenna. Ao mosaico da Sicília, são dedicadas duas estações: a época de Rogério II revive em um itinerário solene de seus lugares sagrados, do Duomo de Monreale à Capela Palatina e Martorana. Já os costumes, tradições e hábitos dos romanos são exibidos ao longo dos corredores e salas de um achado arqueológico de valor inestimável: a Villa Romana del Casale da Praça Armerina.

A última estação apresenta mosaicos que só foram redescobertos na década de 1960, no Golfo de Nápoles: os mosaicos do Parque Arqueológico Subaquático de Baia, que só podem ser vistos presencialmente por quem mergulha.

“Esses mosaicos que estão na exposição são de oito lugares diferentes da Itália. Tem até uma parede que mostra mosaicos que ficam embaixo d'água, e que, portanto, só poderiam ser vistos visitando uma exposição, como essa nossa mostra aqui”, frisou Sturm.

Produzida pela Direção Geral para a Diplomacia Cultural do Ministério das Relações Exteriores e da Cooperação Internacional da Itália (Maeci) e idealizada e realizada pela Magister Art, a mostra é uma cooperação entre o MIS Experience e o Instituto Italiano de Cultura de São Paulo.

“Essa é uma exposição também imersiva, portanto, ela tem vídeos, tem trilha sonora, tem uma ambientação de iluminação e um plus a mais, que é quando você chega, você recebe um fone de ouvido conectado a um celular com a narração da exposição”, finalizou o diretor do MIS.

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X