Imagem
Menu lateral
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

HOME > notícias > BRASIL

Mais de 50 mulheres denunciam comerciante por abuso sexual em MG

A primeira audiência estava marcada para 10 de novembro deste ano, mas foi adiada em função da Covid-19.

O empresário Cleidison dos Santos, apontado como suspeito de abusar sexualmente de mulheres em provador de lojas de roupas no centro de Belo Horizonte, já responde, judicialmente, a um processo de 2018 por estupro de uma jovem, na época com 22 anos.

A primeira audiência estava marcada para 10 de novembro deste ano, mas foi adiada em função da Covid-19, segundo o Fórum Lafayette. Uma nova data ainda não foi marcada.

Leia também

O caso corre em segredo de Justiça, mas o G1 teve acesso ao boletim de ocorrência que motivou o processo. O registro foi em 27 de abril de 2018, quando a vítima procurou a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher.

De acordo com a denúncia, a jovem relatou que viu, pelo Instagram, uma proposta de trabalho na loja Ana Modas, que fica no Shopping Uai.

Segundo o relato da vítima, depois de trocar mensagens com Cleidison pelo whatsapp, ela foi até a loja para conversarem pessoalmente. Ainda de acordo com o BO, logo que chegou, o empresário perguntou se a mulher tinha silicone e, sem o consentimento da jovem, tocou os seios dela.

A vítima relatou à polícia, na época, que entrou no vestiário para experimentar uma roupa a pedido do empresário. Segundo o depoimento, ele entrou em seguida, tirou as calças e começou a se masturbar. A jovem disse à polícia, ainda, que tentou sair, mas foi agarrada pelos cabelos e forçada a fazer sexo oral.

Sobre o processo, o advogado de defesa do empresário, Sérgio Duarte do Nascimento, disse que não existem provas concretas do crime e que aguarda a marcação de audiência.

A Polícia Civil confirmou que há pelo menos 5 boletins de ocorrência contra o suspeito, mas não detalhou quantas pessoas ou vítimas foram ouvidas até agora para não atrapalhar as investigações.

Movimento em redes sociais recebeu mais de 50 relatos

O movimento de denúncias começou depois que uma adolescente publicou um relato na internet, na última semana. A consultora financeira Maria Eduarda Amaral, de 20 anos, que deu origem ao movimento "#ExposedBH", em junho deste ano, viu a postagem da amiga e decidiu compartilhá-la em solidariedade.

"Quando postei no meu Instagram, outra amiga minha disse que também havia sido abusada por ele. Eu fiquei assustada porque, só no meu círculo social, eram duas vítimas. Fiz a exposição e postei nos stories. Depois disso, várias meninas começaram a me chamar, muitas mesmo. Os casos são parecidos, de entrar no provador e passar a mão nelas. Foram mais de 50 relatos", contou.

O que diz o suspeito

Na manhã desta quarta-feira (30), a advogada que defendia Cleidison dos Santos Fernandes informou que deixou o caso. Na terça-feira, ela havia enviado uma nota dizendo que "a Loja Ana Modas, bem como seu proprietário repudiam veementemente as acusações sofridas indevidamente, e informam que os verdadeiros fatos serão provados oportunamente, ficando claro sua inocência e idoneidade" (sic).

O G1 tentou contato com o suspeito por telefone e enviou mensagens, mas não recebeu retorno. A nova defesa dele não foi localizada.

Também por meio de nota, o Shopping Uai disse que repudia "qualquer forma de violência e abuso, principalmente contra as mulheres" e que se disponibiliza "a auxiliar todas as pessoas vítimas que precisarem de orientação no encaminhamento jurídico ou psicológico".

O centro de compras afirmou ainda que enviou uma notificação para que a Loja Ana Modas se manifeste em até 48h, "sob pena de rescisão sumária de seu contrato de locação".

Denúncias

A polícia reforça a importância de as vítimas procurarem a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher para formalizar as denúncias. O prédio funciona 24h por dia e fica na Avenida Barbacena, 288, no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), de janeiro a novembro de 2020, foram registrados 899 estupros consumados, 184 tentativas de estupro, além de 2.369 casos consumados e 112 tentativas de estupro de vulnerável

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na App Store

Tags

Relacionadas