Imagem
Menu lateral
Imagem
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3

Imagem
Menu lateral Busca interna do GazetaWeb
Imagem
GZT 94.1
GZT 101.1
GZT 101.3
MIX 98.3
X
compartilhar no whatsapp compartilhar no whatsapp compartilhar no facebook compartilhar no linkedin
copiar Copiado!
ver no google news

Ouça o artigo

Compartilhe

Homens ganham 17% a mais que mulheres no Brasil, diz IBGE

Pesquisa com dados de 2022 mostra ainda que quem tem nível superior recebe até três vezes mais do que outros trabalhos


				
					Homens ganham 17% a mais que mulheres no Brasil, diz IBGE
76,6% do pessoal ocupado assalariado não tinha nível superior em 2022. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Em 2022, entre as pessoas empregadas no país, 54,7% eram homens e 45,3%, mulheres. Enquanto eles ganharam em média R$ 3.791,58, elas receberam R$ 3.241,18. Ou seja, os homens receberam um salário médio 17% maior do que as mulheres. Essas informações constam nas Estatísticas do Cadastro Central de Empresas (Cempre), divulgadas nesta quinta-feira (20/6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em termos de ocupação por setores, os homens tiveram maior participação em áreas como construção (87,6%), indústrias extrativas (84,2%) e transporte, armazenagem e correios (81,7%). As mulheres marcaram maior presença em segmentos como saúde humana e serviços sociais (74,8%), educação (67,3%) e alojamento e alimentação (57,2%).

Leia também

Em relação à escolaridade, 76,6% do pessoal ocupado assalariado não tinha nível superior em 2022. O pessoal ocupado assalariado sem nível superior, os 23,4% restantes, recebeu R$ 2.441,16 e o com ensino superior, R$ 7.094,17, aproximadamente três vezes mais.

9,4 milhões de empresas

A pesquisa do IBGE constatou ainda que, no fim de 2022, havia 9,4 milhões de empresas e outras organizações formais ativas no país. Elas ocupavam 63 milhões de pessoas. Desse total, 6,6 milhões eram firmas sem pessoal assalariado (69,6%) e 2,9 milhões com pessoas assalariadas (30,4%).

As empresas sem pessoas assalariadas ocupavam 8,4 milhões de pessoas (13,5%), todos sócios e proprietários. As empresas com assalariados empregavam 54,3 milhões de pessoas (86,5%), sendo 50,2 milhões assalariados.

Média salarial

A média salarial foi de R$ 3.542,19. Em termos de salário médio mensal, os mais altos foram pagos pelas empresas com assalariados e observados no Centro-Oeste, com 3,3 salários mínimos, seguido pelo Sudeste (3,2), Sul (2,8), Norte (2,7) e Nordeste (2,3).

Entre as atividades econômicas, os maiores valores foram pagos pelo setor de eletricidade e gás (R$ 8.312,01), seguido por atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (R$ 8.039,19) e organismos internacionais (R$ 6.851,77).

“Apesar de tais atividades pagarem salários médios mensais mais elevados, ocuparam, juntas, 1,3 milhão de pessoas, ou seja, somente 2,6% do pessoal assalariado”, diz Eliseu Oliveira, o analista da pesquisa do IBGE.

Os menores salários médios mensais foram pagos nas áreas de alojamento e alimentação (R$ 1.769,54), atividades administrativas e serviços complementares (R$ 2.108,28) e agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (R$ 2.389,15). “Essas atividades absorveram, juntas, cerca de 7,6 milhões de pessoas, ou seja, 15,2% do pessoal ocupado assalariado”, afirma Oliveira.

Leia a matéria completa em Metrópoles.com

App Gazeta

Confira notícias no app, ouça a rádio, leia a edição digital e acesse outros recursos

Aplicativo na Google Play Aplicativo na App Store
Aplicativo na App Store

Relacionadas

X